José Sodré Ferreira Neto

Ocupante da Cadeira nº 24, que como como Patrono José Santos. Nasceu em São Luís/MA, no dia 20 de abril de 1986, no Hospital Universitário Materno Infantil, filho de Antônio Campos Sodré Ferreira (Tozinho de Zé Sodré) e de Ana Cléres Santos Ferreira (Cléres de Zé Santo), ambos naturais de Peri-Mirim/MA. Avós paternos: José Sodré Ferreira (Zé Sodré) e Maria José Campos Ferreira (Maria Sodré) e avós maternos: José Santos (Zé Santos) e Maria Amélia Martins Santos.

Em 1988, antes de completar dois anos, foi morar com seus avós maternos, no Outeiro da Cruz. Em 1989, ingressou no maternal do Colégio Menguinho, ainda com dois anos. Em seguida, em 1992, passou a integrar a família Marista, onde permaneceu até a conclusão do Ensino Médio, no ano de 2003.

Desde menino pretendia cursar Medicina, mas, após a conclusão do Ensino Médio, os ventos o levaram para o curso de Direito, na cidade do Rio de Janeiro, tendo concluído a graduação em 2010, mesmo ano que logrou a aprovação no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em 2013 foi aprovado no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) para o Curso de Ciências Contáveis para a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), tendo escolhido esse curso em homenagem sua tia e madrinha Ana Creusa e seu tio Carlos Magno (in Memoriam), este a quem chamava de pai, cursando apenas um período.

Em 2014, durante uma ida a cidade de Fortaleza/CE para assistir aos jogos da Copa do Mundo, conheceu a sua esposa, Cibelle Rocha. Em 2015, decidiu morar no Ceará, onde casou, em uma cerimônia bela e inesquecível, em 2016.

O ano de 2017 foi marcado por dois acontecimentos antagônicos: a perda irreparável daquele que foi a sua grande inspiração, seu avô paterno José Santos, a quem sempre teve como pai e exemplo – o seu eterno Papaizão –  e a sua aprovação no concurso para Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí.

Em 2018, para dar sentido a tudo que trilhou, veio ao mundo a sua primogênita, Manuela, cujo nome significa – Deus está conosco.

Apesar de ter nascido em São Luís, sempre teve Peri-mirim como sua terra natal e, sempre que possível, está presente a este tão aconchegante pedaço de chão. Por isso, muito lhe honra e felicita ocupar uma cadeira na Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP).

Deixe uma resposta