Extensão e processo de ocupação de Peri-Mirim

Extensão
O município tem 405,3 km² sendo o 184° do Estado em extensão o que corresponde a 0,12%. Em termos regionais, é o 48º na Mesorregião Norte Maranhense com 0,77% e o 17º na Microrregião Geográfica da Baixada Maranhense correspondendo a 2,30%.

Processo de Ocupação
Os criadores de gado dos municípios próximos, presumivelmente de Alcântara e São Bento, no sentido de desenvolverem a pecuária extensiva própria da época e da necessidade de encontrar pastos novos e férteis, penetraram pelo interior e ao encontrar os pastos almejados, ali construíram suas casas, dando ao povoado o nome de Macapá, que
embora tivesse em áreas dos municípios de Alcântara e São Bento, foi anexado ao segundo pela Lei Provincial de nº 1.385, de 17 de maio de 1886.

Pela Lei nº 850 de 31 de março de 1919, o distrito foi transformado em município e 45 dias depois foi procedida à eleição para prefeito municipal, embora o município tenha sido oficial e solenemente fundado em 15 de julho de 1919. Onze anos depois, o município foi extinto por meio do Decreto Lei Nº 75, de 22 de abril de 1931, sendo reincorporado ao município São Bento, na condição de distrito.

Finalmente, o Decreto Lei nº 857, de 19 de junho de 1935, devolveu a Macapá a condição de município e elevando à condição de vila em 19 de julho do mesmo ano, considerando-a, no entanto, cidade a partir de 29 de março de 1938. Com a reforma administrativa do Estado, pelo Decreto Lei Nº 820 de 30 de dezembro de 1943, o município mudou a toponímia de Macapá para Peri-Mirim.

A palavra peri-mirim na língua tupi-guarani significa junco fino, tipo de vegetação que predomina nos campos alagados do município.

________________________________________________

Fonte: Enciclopédia dos Municípios Maranhenses: microrregião geográfica da Baixada Maranhense / Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. – São Luís: IMESC, 2013.

ANTÔNIA MARTINS NUNES

Nascida em 13 de junho de 1928 no povoado Juçaral do Munícipio de Peri-Mirim-MA, Antônia Martins Nunes, filha de Benedito Martins Nunes e Domingas Maria Martins. Tinha 09 irmãos: Margarida Martins Silva, João Martins, José Raimundo Martins, Teresa Martins Melo, Inácia Elzamar Martins, Damiana Martins Pinheiro, Eloisa Martins, Maria Teresa Pereira Castro e Antônio Luís Martins Pereira.

Antônia Martins Nunes, seus pais lhe colocaram esse nome porque nasceu no dia de Santo Antônio, a mesma nunca frequentou a escola, veio aprender a fazer o próprio nome, anos depois que o filho mais velho Raimundo Martins Nunes, a ensinou.  Abdicou da sua infância para ajudar sua mãe no sustento da família, trabalhava na lavoura, com coco babaçu, confecção de rede artesanal, na pesca e tantos outros.

Ficou órfão de pai ainda pequena, passou por muitas dificuldades, como filha mais velha, teve que arregaçar as mangas e ir à luta junto com sua mãe e seus irmãos  para poder sobreviverem. Todos cresceram, construíram famílias  e tomaram seus rumos.

Recorda que na sua infância sempre estava com sua mãe, nunca a deixava trabalhar sozinha, era sua companheira, iam para o mato juntar coco babaçu, tirar juçara, pescar, fazer roça, levantava bem cedinho, primeiro que todos, para ajudar nos afazeres domésticos.

Sua família tinha tradições a serem seguidas, faziam festa de Santo Antônio no povoado Canaranas e Nossa Senhora das Graças no povoado de São Lourenço, comemoravam os feriados de Santo Antônio e Santa Luzia na casa de seu sogro Torquato Nunes ou da sua Mãe Domingas Maria Martins. A religião foi parte importante em sua vida, católica praticante, batizada no povoado Canaranas, teve como padrinhos Lourenço, que era irmão da sua mãe Domingas e Maria que era uma amiga da família.

Recorda que dava conselhos para os irmãos que não gostavam de trabalhar como: socar o arroz para todos comerem, pescar, cortar juçara no juçaral, às vezes até brigavam para não ajudar, mas a sua mãe sempre interferia e todos ajudavam.

Apreciava os momentos que passava com o seu pai, principalmente quando ele vinha com o gado e gritava “lá vai eu”, abre a porteira…e ela corria para abrir a porteira morrendo de medo dos bois levá-la na frente ou pisá-la. Antônia era corajosa, amansava bois brabos, até mesmo dos fazendeiros vizinhos e quando caía dos animais, os irmãos sorriam e ela chorava, subia em pés de juçareira de todos os tamanhos, isso para ela era uma diversão especial! Conta que em meio às dificuldades, ela era feliz!

Tinha como maior desejo construir sua família e ter filhos… Conheceu seu marido em um baile de coureiro de caixa, duas colegas induziram-na a conversar com José Amorim Nunes (in memoriam), natural de Macapá, atual Peri-Mirim. Conversaram e se reencontraram dias depois em um outro tambor de caixa que aconteceu no povoado Juçaral, nesse momento firmaram o namoro e combinaram o dia para conversarem com a sua mãe Domingas, onde foi aceito e era de bom agrado da sua mãe tê-lo como genro. Ela namorou, noivou e casou-se com o mesmo.

O casamento foi em São Bento em 20/09/1947, na ocasião teve festa, bolo de tapioca com café, chocolate de fubá do coco babaçu, e a pinga para quem gostava. Teve forró de caixa a noite toda. União esta que tiveram três filhos legítimos: Raimundo Martins Nunes (Sipreto), Domingos Martins Nunes (Duro) e Ana Luíza Nunes Martins; e quatro adotivos: Manoel de Jesus Campos (Santiago), Raimundo Gabriel Amorim (Gabi), sua neta Rosangela Pereira Nunes e seu bisneto David Nunes Cunha.

Antônia Martins Nunes conviveu com seu cônjuge José Amorim Nunes por 55 anos. Seu esposo era um homem bom, um bom pai, fazia tudo o que podia por todos, amava todos, mas na hora do conselho tinha que ser escutado, quando um dos filhos fazia algo errado ou se intrometia em conversa de adultos, era só olhar de olhos tortos que já sabiam que mais tarde após a visita sair tinha o paredão dos conselhos.

A mesma lembra que junto com o marido saíam de madrugada para a roça no Tremedal, povoado de Peri-Mirim, umas 5 horas da manhã para chegarem mais cedo e voltavam de tardezinha quando o sol já estava se pondo. Iam montados em bois, eram tempos bons, assim afirma. Ali, enquanto uns trabalhavam na lavoura, outros iam pescar nos rios para comerem na roça. Relembra sua história de vida com sua família quando escutava a música “utopia” de Padre Zezinho.

No calar da noite sempre estava tirando fubá de coco para os porcos ou fazendo azeite da amêndoa do coco babaçu, enchendo grade de rede, tudo isto na luz de lamparina. Enquanto isso, seu esposo animava a criançada com suas lindas histórias de Camões, tia onça, tio lobo, macaco, reis, rainhas e tantos outros com valiosos ensinamentos que aprendeu com seus antepassados.

No povoado Canaranas deste município supracitado, foi construída sua primeira casa: de palha, porta de mensaba e chão batido; dormia em rede, depois obteve uma cama feita de jirau, colocado palha de bananeira e coberta com pano, tinha um par de mochos e alguns troncos de madeira que serviam para sentar, fogão a lenha, o armário era um caixote, um cofo bem feitinho da palha do tucum amarrado no teto da cozinha, servia como porta prato, porta colher e porta escova. Mesmo com as dificuldades que passavam eram felizes.  Naquele povoado, junto com o marido, edificou suas raízes, Antônia viu muitas crianças nascerem, era parteira praticante, sempre estava disposta em ajudar trazer vidas ao mundo, mesmo em povoados distantes ela ia a qualquer hora, enfrentando chuva ou sol.

Antônia, com o passar dos tempos, teve perdas de pessoas queridas da família, sua mãe Domingas, alguns irmãos e amigos. Mas, sua maior provação foi a perda do pai na infância, daí sentindo o desejo de lutar para viver junto da sua mãe e de seus irmãos menores.

Com a perda do seu cônjuge em 2002, Antônia continuou a residir até 2012 na mesma casa no povoado Canaranas, logo após mudou-se para o centro da cidade para a casa da sua filha Ana Luíza, onde viveu os seus últimos anos de vida.

Seu maior medo era perder seus filhos, de ficar longe dos mesmos, sonhava em estar com a família reunida novamente, sentia saudades de todos e dizia que é triste passar pela terra, viver bastante tempo e olhar seus entes queridos partindo e deixando saudade.

Deixa como maior legado suas experiências vividas, suas lutas e conquistas. Tem como aprendizado, que a cada dia precisamos reinventar o nosso sorriso, entender que tudo que acontece é para o nosso bem, até mesmo o “mal” nos torna fortes e que precisamos superar os obstáculos para que a esperança cresça e tenhamos mais fé. Faleceu no dia 31 de dezembro de 2021.

Biografia construída pela sua neta Antoniêta Márcia (Tatá).

O cangaço na Baixada Maranhense: Pavor e sangue na noite em Teresópolis

Por Aymoré Alvim*

A fazenda Teresópolis fica em terras do município de Peri-Mirim, na borda do campo do Pericumã, distante alguns quilômetros, no sentido nordeste, da cidade de Pinheiro.

Inicialmente, foi ali desenvolvida pelo seu proprietário, Sr. Antônio Souza, uma próspera agroindústria com ênfase na produção de açúcar de cana. Depois, passou por alguns outros donos e, atualmente, é apenas uma fazenda de criação de gado.

O destaque histórico que lhe vem sendo dado pela curiosidade popular, desde as primeiras décadas do século passado, é devido ao fato de ter sido palco de uma das mais violentas incursões do banditismo que proliferou, nessa época, na Baixada Maranhense.

Desafiando a segurança pública, na Região, bandos armados apavoravam fazendeiros e moradores, invadindo suas propriedades, saqueando-as e matando com extrema crueldade quem se interpusesse às suas ações.

Destes grupos, o mais temido era o do perigoso e violento Tito Silva. Naquela fatídica noite que se perde, nos últimos meses de 1921, um pesado silêncio caia sobre a fazenda Teresópolis. Calmo ninguém estava, pois o dono era um dos desafetos do facínora que lhe jurara vingança.

Após o jantar, alguns vaqueiros e outros serviçais trocavam um dedo de prosa, na sala do andar térreo da casa principal da fazenda. O assunto, como sempre, girava em torno dos crimes que grupos de bandoleiros armados vinham praticando, na região.

Relatos dessa época deixados, principalmente, pelo Tenente Francisco de Araújo Castro, o Chico Castro, então Delegado de Polícia de Pinheiro, e pelo Juiz de Direito local, Dr. Elizabetho Barbosa de Carvalho, contam que por volta das nove horas daquela noite os bandidos invadiram a casa grande, atirando para todos os lados. Os empregados apavorados se dispersaram buscando proteção contra as balas. Um deles ao tentar subir as escadas foi, mortalmente, baleado.

Outros, no entanto, escaparam e correram até Pinheiro, chegando à casa do delegado lá pelas vinte e três horas. Muito cansados, tentaram relatar o que presenciaram, sem contudo saber o que realmente havia acontecido. De imediato, com o delegado Chico Castro, todos rumaram para a casa do Juiz. Ali, as duas autoridades planejaram algumas medidas que pela urgência o caso exigia.

Na primeira hora da madrugada, o delegado à frente de soldados e de vários voluntários em armas, reunidos à ultima hora, chegaram a Teresópolis.

Chico Castro entrou e logo, no andar térreo, foi encontrando alguns corpos. Subiu ao andar superior e se deparou com o corpo do fazendeiro Antônio Souza ainda na rede onde antes repousava. Mais adiante, no mesmo andar, estavam os corpos de uma criança e de uma senhora paralítica, já avançada em idade, que moravam na casa.

Ruídos, em um quarto ao lado, chamaram a atenção do delegado. Pela janela, retirou o filho do proprietário, o jovem Lauro Souza e um amigo seminarista de nome Pitágoras que ali se encontrava a passeio. Disseram não ter visto nada.

Assim que ouviram os tiros, pularam a janela e se esconderam no telhado. Os primeiros depoimentos ali tomados dos sobreviventes que, pouco a pouco, iam chegando, dão conta de que o bando era do Tito Silva e que a motivação era vingança. O delegado deu, então, ordens para que fossem recolhidos os corpos e levados para Pinheiro para serem sepultados.

Pela manhã, ainda sob o impacto emocional da noite passada, chegou a notícia de que o bando, logo após a chacina, rumara para Cabeceiras, hoje, Bequimão, onde Tito Silva foi ajustar contas com um comerciante e delegado do local por nome José Castro. Após haver sido acordado juntamente com a família, foi levado para a via pública e ali assassinado. Por fim, dizem que o Tito Silva cortou-lhe uma das orelhas e a levou consigo.

Esse foi mais um problema, no complicado ambiente político-social da Região, naquela época, que exigia solução imediata por parte das autoridades.

Rixas, ambições, rancores e mágoas foram os fortes ingredientes que alimentaram as atividades desses facínoras que espalharam, naquelas populações, pavor e ódio, em cujo epicentro está Teresópolis, pela frieza e covardia com que manifestaram sua agressividade e expressaram toda a sua violência.

Tempos depois, chegou a Pinheiro a notícia de que outro bando, comandado por João Mole, prendeu Tito e o entregou às autoridades.

Transferido para São Luís, o mesmo foi recolhido à Penitenciária e, pelo que falam os mais antigos, ninguém mais soube do seu paradeiro.

Algumas outras diligências levaram as autoridades de Pinheiro a desmantelar os últimos grupamentos de bandidos que operavam, nas proximidades do Bom Viver, fazendo, assim, que a paz e a tranquilidade voltassem à cidade e ao seu povo.

*Aymoré de Castro Alvim, Natural de Pinheiro-MA, formado em Medicina, Aymoré é professor adjunto IV do Departamento de Patologia da Universidade Federal do Maranhão, aposentado. Ele tem especialização em Biologia Parasitária, membro da Academia Pinheirense de Letras, Artes e Ciências (Aplac), autor do livro Contos e Crônicas de um Pinheirense.

JAIR AMORIM

Nasceu em Santana – Peri-Mirim/MA em 08 de agosto de 1935, foi carpinteiro, lavrador, pescador, caçador, um homem do campo, um homem da terra, mãos e pés calejados adquiridos pelas labutas diárias. Dono de um sorriso largo, generoso como é o povo nordestino do interior do Brasil. Filho de Felomena Amorim (sua mãe era mãe solteira) e teve como irmão Luís Berto Amorim.

Aprendeu o ofício de carpintaria com o mestre Tácito Nunes, um grande carpinteiro do município, o custo da aprendizagem foi arcado por um amigo da sua mãe, o Sr. Martinho, conhecido como Cancão, pois a sua mãe não tinha condições para arcar com as despesas.

Casou-se com Inácia Rosa Pereira Amorim com a qual teve seis filhos: Eni do Rosario Pereira Amorim, Laurijane Pereira Amorim (Nita), Sílvia de Ribamar Pereira Amorim (Cici), Jair Amorim Filho (Jacó); Cristina Maria Pereira Amorim (Cris), Evandro dos  Santos Pereira Amorim (Vando). Teve  08 netos e 05  bisnetos.

Um homem de estatura mediana, personalidade forte. Jair era semiletrado e mal sabia rascunhar o nome. Desde muito cedo teve que trabalhar, mal frequentou a escola devido a carência que bate à porta e sem piedade tira a infância de tantos meninos neste país. Tinha que ajudar a mãe que fazia lavagem de roupa nas casas de família e fiava (fio da terra), além de realizar trabalhos em costura com caseados manualmente. A remuneração mal dava para comer, quiçá vestir-se.

Jair era um homem de muita garra e teve a força, a coragem e a esperança de sonhar com uma vida melhor. E vida melhor para pobre é ter, feijão, farinha e mistura na mesa e isso ele conseguiu com o suor do seu rosto, à custa do trabalho perseverante e de penosos sacrifícios. E assim, foi construindo a sua história.

Como hobby,  gostava de jogar pelada com os amigos e fazia bonito em campo defendendo o seu time, mas devido a um incidente em campo que ocasionou uma forte lesão em sua face, ele deixou de jogar.

Com a chegada dos missionários da missão de Sherbrook do Canadá que chegaram para executar missões no Município e como as freiras não se adaptaram no lugar  tendo que retornar ao Canadá, Jair foi solicitado para tomar conta do Convento das Freiras, mudando-se com a família da comunidade de Santana para a sede do Município. Montou sua carpintaria em um dos cômodos do convento onde realizava os seus trabalhos de carpintaria.  Trabalhava com madeira em estado bruto beneficiando-a para uso de móveis e tantas outras utilidades na construção civil. Trabalhou intensamente nas atividades da Paróquia São Sebastião na gestão de Padre Gérard Gagnon juntamente com Antonino Lobato.

Depois de 10 (dez) anos morando no convento, este foi adquirido pela prefeitura municipal e a família teve que se mudar para uma residência que Jair já havia comprado com o incentivo e a ajuda do Padre Gérard Gagnon.

Jair faleceu às 2:00h do dia  17 de julho de 2011 no Hospital Municipal Djalma Marques -Socorrão I, São Luís- MA, vitima de insuficiência respiratória não identificada, seu corpo encontra-se sepultado no cemitério no centro da cidade (Peri-Mirim).

Deixou para os seus ascendentes exemplo de trabalho, de compromisso, de honestidade e de esperança que seus netos não tenham o mesmo destino do avô, que a vida seja mais doce e que lhes garanta um futuro mais digno.

Te amaremos para além da eternidade! Teus filhos.

ADMINISTRADORES DE PERI-MIRIM

1) Ignácio de Sá Mendes – Intendente (1920 a 1921)

2) Antônio Raimundo Marques de Figueiredo – Intendente

3) Manoel Miranda – Interino

4) João Capistânio Gomes de Castro – Interino

5) Raimundo Botão Mendes – Interino

6) Vilásio Pires – Interino

7) Vicente Soares Silva – Interino

8) Secundino Furtado – Interino

9) Marcionílio Antônio Marques (1942 a 1945)

10) Agripino Álvares Marques (1946 a 1949)

11) Naisa Ferreira Amorim (1950 a 1952)

12) Agripino Álvares Marques (1953 a 1958)

13) Tarquínio Viana de Souza (1959 a 1961)

14) Agripino Álvares Marques (1962 a 1965)

15) Jorge Antônio Maia – Interino

16) José Ribamar Martins – Bacaba (1966 a 1969)

17) Clovis da Silva Ribeiro – Interino

18) Ademar Peixoto (1970 a 1972)

19) Deusdete Gamita Campos (1973 a 1976)

20) João França Pereira (1977 a 1982)

21) Benedito de Jesus Costa Serrão (1983 a 1988)

22) Carmen Martins (1989 a 1992)

23) Vilásio França Pereira (1993 a 1996)

24) Benedito de Jesus Costa Serrão (1997 a 2000)

25) José Geraldo Amorim Pereira (2001 a 2008)

26) Afonso Pereira Lopes (2009 a 2012)

27) João Felipe Lopes (2013 a 2016)

28) José Geraldo Amorim Pereira (2017 a 2020)

29) Heliezer de Jesus Soares (2021 a 2024)

MACAPÁ – MUNICÍPIO ENLUTADO

Por Vavá Melo*

Em plena ascensão e justificada euforia, o novo município foi abalado por dois hediondos crimes:

O primeiro ocorreu no engenho Itaquipé, com o bárbaro assassinato do senhor Antônio Avelino Pinheiro, praticado pela esposa e o amante conhecido por Pequapá. Pelo forte apreço que tenho aos amigos, descendentes dessa família, recuso-me a pormenorizar essa tragédia.

O segundo, que abalou toda a região com outras vítimas, verificou-se às 20 horas, da fatídica noite de 25 de outubro, na fazenda de lavoura em Teresópolis, com o cruel assassinato do proprietário Antônio Pedro de Sousa e de dois de seus empregados, praticado pelo cangaceiro Tito Reis Silva e bando dele que o acompanhou.

Esse crime, segundo alegou o facínora Tito, homem de péssimos antecedentes foi por motivo de vingança pela humilhante prisão sofrida pela esposa Marina.

Essa história por ser longa, com controvérsias, registro-a no livro São Bento dos Peris – água e vida.

TITO SILVA – Síntese

Depois da prisão de Marina, esposa de Tito Reis Silva, em Macapá, por dezoito dias, quando lhes rasgaram as vestes, deixando-a nua, o casal jurou vingança. Mudou-se em abril para Boa Vista Goiás. Foi morar perto da casa de Dionísio Alves Batista e de seus irmãos, de quem se tornou amigos, e às vezes falava que tinha uma dívida a receber no Maranhão, na fazenda Teresópolis e outra, na vila de Santo Antônio e Almas. Em junho começou convencer o próprio Dionísio, Raimundo Alves Batista, Waldevino, Pedro de Sousa Leal e João de Tal, vulgo João Mole. Dois seis apenas este recebeu um refle e uma caixa de balas.

Partiram de Boa Vista, há 3 de outubro, atravessaram o Rio Tocantins, caminharam por chapadas durante 6 dias, alcançaram ao povoado Presídio, em frente da cidade de Grajaú, chegaram a Penalva dia 18. No seguinte foram a Monção, dormiram perto de Viana. Dia 20, passaram distante dessa cidade, viajando sempre a pé, atingiram São Vicente Férrer. Dia 21, passaram em São Bento com destino a Pinheiro. Dia 22, pela manhã atravessaram campos imensos, com água pelos joelhos, barriga e peito. No dia seguinte foram dormir na casa da mãe de Tito e descansaram todo o dia 24. Dia 25, cerca de uma hora da tarde, viajando pelos campos, chegaram a Teresópolis, às 8 horas da noite. Na entrada da fazenda foi que Tito falou que as dívidas que ele vinha receber eram duas: matar o fazendeiro Antônio Pedro de Sousa, e em Santo Antônio e Almas – José Castro. Tito só não fez esta revelação a Pedro de Sousa Leal, porque este já sabia de suas intenções desde Boa Vista, que foi quem comprou a caixa de bala, vista está sem dinheiro. Na entrada da fazenda, jantaram ao grupo mais dois rapazes, um pardo e outro negro que estavam armados de faça e cacete. A fazenda de sobrado só com uma entrada pela frente. Entraram-na e encontraram o fazendeiro escrevendo sobre a mesa, iluminada por lamparina a querosene. Tito Silva acompanhado de João Mole subiram a escada, e os outros ficaram no pátio, fazendo guarda.

Falou Tito em voz alta, capitão! Sabe com quem está conversando? Atos contínuos Tito e João Mole disparam dois tiros. Na ocasião saíram dois pretos do interior da casa, aos quais disse Tito – saiam fora que não quero matar vocês. – Responderam: se o padrinho estava morto eles também podiam morrer. João Mole disparou um tiro matando-o. Como o refle de Tito engasgou, e o outro armado de faca, Tito sacou do terçado “colins”, cravou no adversário que com ele embebido no corpo, correu e despenhou-se atrás da casa.

Tito e João Mole na suposição de que ainda houvesse alguém dentro da casa, gritaram – não saiam. Quem tiver que se aquiete. Dispararam mais dois tiros, indo um destes, ao que parece ferir uma criança que estava no quarto, pois a criança gritava muito clamando por Jesus Cristo e Nossa Senhora. (Papai contava ser este o único arrependimento de Tito).

Feito isto, os dois, entraram na sala, apoderam-se de um baú coberto de couro, encheram de fazendas, roupas feitas, lençóis, colarinho, uma rede e dinheiro. Partiram levando um cavalo de sela apanhado na estrebaria por Pedro Leal, Valdivino e os dois rapazes chegaram a casa de um tio de Tito uma hora da manhã, duas ou três léguas, perto de Santo Antônio e Almas.

Lá Tito contou ao tio que matara Antônio Sousa e seu desejo era matar José Castro. O tio lhe fez ver que estava fazendo coisas impossíveis. Mas que, como lhe havia prendido a mulher e lhe tomado o que era seu, continuasse seu desígnio, se era que se atrevesse a tanto. (Depoimento do senhor Dionísio Alves Batista, 31 anos de idade, nascido em Bom Jesus da Gurgueia, prestado na Polícia, publicado no Diário Oficial).

O Senhor Antônio Pedro Sousa é aquele já citado, várias vezes premiado na Exposição Nacional no Rio Janeiro, realizada na Praia do Botafogo, em 1908, alusiva ao 1º Centenário da Abertura dos Portos do Brasil às Nações Unidas.

Com a prática desses crimes as comunidades macapaenses e dos municípios adjacentes alarmadas e amedrontadas, incapazes de oferecer resistência armada, apelaram pateticamente ao Governo do Estado, com estes telegramas: íntegra.

Macapá – 26. População alarmada esta vila pede vosso auxílio urgente, doze salteadores armados rifles saquearam fazenda Theresópolis depois terem morto proprietário e empregados, hontem 20 horas. Hoje 8 horas, atacaram município Santo Antônio e Almas, mataram e saquearam José Castro. Resto ignorado. Esperamos ser atendidos. Ignácio Mendes – Manoel Miranda.

Macapá – 26. População alarmada motivo doze bandidos armados rifles saquearam e mataram o proprietário fazenda Teresópolis, Sr. José Castro, chefe político município vizinho. Dizendo bandidos vier esta vila, peço garantia em nome população. Antônio Botão Mendes – 4º juiz suplente.

Macapá 30 – numero cento e cinquenta e dois. Lamento dizer nenhuma garantia ter recebido até agora de parte do governo, enquanto salteadores continuam exercendo ação criminosa. Depois caso Santo Antônio e Almas, foram atacados casa vivência e comercial Raimundo Argemiro e Pedro Teodoro, Luiz Peralico, Manoel Sousa, José Cândido, Francisco Amorim, João Viégas e muitos outros se acham refugiados nos matos. O assalto a três km donde estou recebendo constantes avisos de invasão. Sinto-me sem forças oferecer resistência e vinda salteadores, resolvido entregar repartição ao saque caso não me chegue auxílio com tempo a vir. Mandei abastecer víveres em Santo Antônio e Almas, não sendo possível por continuar deserta esta vila e população foragida. Indescritível se encontra população, em completa correria. Sem meios defesas mais uma vez apelo confio vosso criterioso governo. Saudações. Bezerra Cavalcante – Encarregado Cento Agrícola.

Para colaborar com o Corpo Policial, capitão Ulysses Cesar Marques, o 1º tenente Sebastião Cantanhede de Albuquerque e 2º tenente Antônio Henrique Dias, prefeito Inácio Mendes cedeu três cavalos. Contou, ainda o apoio do coronel Carneiro de Freitas que se encontrava em São Bento.

Aqui, com devida vênia, revelo um episódio contado pelo meu pai, André Martins Melo. “Aos oito anos de idade deu fuga a importante figura, levando-o à noite, montados em cavalos, para o lugarejo Borocotó. Em lá chegando o dito ficou escondido dentro de um poço, coberto de palhas”.

Muitas histórias foram inventadas, em desacordo com o relatório oficial o Tenente Sousa Coqueiro, no Imparcial Diário Oficial do Estado, 1920. Nesse mesmo ano, foi vítima da aftosa e a peste bubônica da alastrou-se na região.

* Álvaro Urubatan (Vavá Melo) é natural de São Bento, bancário aposentado. Pesquisador e historiógrafo. Membro fundador da Academia Sambentuense e da Academia Ludovicense de Letras.

O LEGADO DE KEILA ABREU MELO EM PERI-MIRIM/MA

Por Diêgo Nunes e Edna Jara

Keila Abreu Melo Diniz nasceu em Peri-Mirim em 18 de junho de 1969. Filha de Manoel Melo (In Memorian) e Javandira Abreu Melo, foi a quarta filha de um total de seis: Manoel (In Memorian), Jeisa, Nilson, Keila, Gisele e Kênnya). Filha muito dedicada, com sua mãe e seus familiares. Casou-se com Alan Fábio Pereira Diniz e tiveram dois filhos: Luiz Eduardo Melo Diniz e Alain Victor Melo Diniz.

Morou quatro anos em São Luís para estudar. Formou-se em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. Iniciou sua vida profissional muito cedo. Apaixonada pela educação, Keila já sabia o que queria. Assim, serviu o município de Peri-Mirim como educadora há mais de uma década. O seu primeiro emprego nesta cidade foi por contrato do Estado.

Era uma pessoa que amava muito tudo o que fazia. Pessoa de caráter, sincera, lutadora, colaboradora, esportista, digna, alegre, enérgica, acolhedora, lecionava com dedicação…; Estes são só alguns dos atributos que descrevem quem a conheceu.

Todas estas características chamaram a atenção das autoridades políticas da época, que lhe ofereceram o importante cargo de Secretária Municipal de Educação. Ela, de bom grado, aceitou o desafio.

Sua família testemunhou as muitas noites, madrugadas, dias, fim de semana e até feriados que Keila dedicou a este serviço público. Não foi fácil, mas ela, mesmo com pouca idade que tinha exerceu a sua gestão com muita competência, dedicação e carinho.

Deixou seu legado no município de forma positiva. Pois foi um exemplo de mulher guerreira, justa e transparente em seus relacionamentos e ações, sensível, empática, companheira e fiel em todos os momentos e para tudo. Além de gostar de fazer caridade, foi torcedora do Vasco da Gama, católica ativa e dizimista atuante.

Um problema cardíaco, até então desconhecido, tirou a vida de Keila através de um infarto fulminante aos trinta e dois anos, mais precisamente em: 03 de junho de 2002.

A lição que ela nos deixou foi viver a vida com disposição, alegria, dedicação, cultivar amizades e o amor em família.

Keila partiu muito cedo desta vida. Mas sua missão aqui na terra foi de grande relevância ao nosso município na área da Educação.

Em sua homenagem, o vigésimo quinto prefeito da cidade, José Geraldo Amorim Pereira, no seu segundo ano de administração (2001-2008) nomeou o prédio construído ao lado do antigo prédio da Câmara (atual prédio da Secretaria Municipal de Assistência Social) como “Keila Abreu Melo”. Ainda no mandato de Afonso Pereira Lopes (2009-2012), assim, como uma parte da gestão do Prefeito João Felipe Lopes (2013-2016) funcionou o curso de informática para alunos da rede pública municipal e estadual ministrados por instrutores contratados.

Por interesse da gestão da época e em concessão com a Câmara Municipal, dezesseis anos após seu falecimento, o nome “Keila Abreu Melo” foi decretado permanentemente como nome oficial da escola municipal localizado no Bairro Campo de Pouso.

Seguindo o histórico da referida escola, o autor perimiriense Francisco Viegas Paz, em seu livro “Curiosidades Históricas de Peri-Mirim (2014), relata que a Escola Municipal “Tarquínio Viana de Sousa”, localizada no bairro Campo de Pouso, foi construída na administração de Carmem Martins, entre 1989 e 1992. O nome homenageou o ex-prefeito e pai da executante da obra. Funcionava nos turnos matutino e vespertino o ensino fundamental, com a capacidade de abrigar por turno 200 alunos.

Durante seis anos (2003 – 2008) o prédio foi cedido ao Estado para alojar alunos do Centro de Ensino “Artur Teixeira de Carvalho” das séries finais do ensino médio.

Retomado para as atividades da gestão municipal, serviu como primeiro anexo da Escola Municipal “Cecília Botão”. A extensão se deu pelo número crescente de alunos advindos dos mais diversos povoados do município de Peri-Mirim. A escola matriz já necessitava de um espaço mais amplo que pudesse atender a esta nova realidade, porém, dado o aumento da demanda foi necessário adequar este novo espaço de atendimento.

Foi pelo Decreto nº 007/2018 de 11 de julho de 2018 que o nome da Escola Municipal “Cecília Botão” – Anexo I passou a ser oficialmente Escola Municipal “Keila Abreu Melo”. Localizada no Campo de Pouso, s/nº, Peri-Mirim. A escola se tornou uma entidade independente pela criação da sua inserção cadastral na Receita Federal do Brasil e cadastro no Ministério da Educação recebendo código do INEP próprio.

A escola é mantida pela Prefeitura Municipal de Peri-Mirim e administrada pela Secretaria Municipal de Educação – SEMED e PDDE, sob CNPJ nº 30.681.962/0001-14 e INEP nº 21274010 e está baseada na metodologia do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC. O nível de ensino é o Fundamental séries iniciais (1º ao 5º ano), podendo abrigar 240 alunos distribuídos em quatro turmas ativas nos dois turnos. Atualmente, os departamentos estão divididos assim: sala da direção, secretaria, cantina, banheiros, salas de aula e uma pequena biblioteca.

A instituição atende alunos provenientes das Comunidades/Povoados do município. As crianças e adolescentes dos quais constituem o corpo discente desta escola apresentam perfis socioeconômicos e culturais distintos pertencentes a diversas classes sociais, a maioria são de origem de famílias de trabalhadores rurais, pescadores e funcionários públicos. São beneficiados também por programas do Governo Federal como Bolsa Família, além de recursos diretos do FNDE: PDDE (novo Mais Educação), que contribuem diretamente para formação de um ser humano mais digno.

A Escola Municipal Keila Abreu Melo vem sendo administrada desde janeiro de 2021 pelas gestoras Darlene Nunes e Tereza Nunes as quais vêm realizando um trabalho em conjunto com sua equipe escolar voltado para o foco em projetos pedagógicos sincrônicos às competências da BNCC que envolvam alunos, famílias e a escola no processo de ensino-aprendizagem na atual modalidade: ERE – Ensino Remoto de Emergência.

A decisão de nomear a escola como Keila Abreu Melo veio do desejo popular de perdurar seu legado com honras e méritos de educadora excelente nos anos de atuação.  A escola por sua vez, honra a graça de poder cativar essa herdade com resultados satisfatórios de um ensino eficaz e sempre oferecendo uma educação melhor e de qualidade para as crianças e adolescentes do nosso município.

Colaboradores: Família e amigos de Keila A. Melo.

Velho Casarão

Por Eni Amorim

Vendo-te definhar nas sombras das tuas ruínas,
Remonto-me para o período da tua aurora juventude, onde reinavas majestoso na imponência do tempo.
Guardas em tuas ruínas histórias e lendas de personagens que habitaram dentro de ti; Histórias de amores e desamores, esperanças, alegrias, tristezas, angústias, perdas e reencontros, chegadas e partidas…
Nas histórias do senso comum que brotam da imaginação de uma gente humilde surge a lenda da ’’Freira de chamató’’ (tamanco). (Eis que na calada da noite uma freira de chamató passeia pelas varandas do casarão com seu toc, toc irritante.) Lenda essa que fez o casarão tomar uma conotação de ‘’Casarão mal assombrado’’.
Guardastes no teu abrigo: religiosos, trabalhadores, viajantes, vendedores e moribundos…
Abrigas nas tuas entranhas histórias de muitos atores, cada qual com sua singularidade que lhe é peculiar.
Agora que a velhice chegou e que não tens mais o vigor de outrora,
Jazes esquecido ao relento e aos maus tratos, Não passas de escombros e de local para deposição de excrementos humanos e abrigo para os animais que perambulam pelas ruas da cidade.
E você, velho casarão, aguarda que o tempo complete o teu processo de oxidação, enquanto você figurará nos fragmentos de uma história nas névoas do tempo.

Peri-Mirim, 20 de junho de 2015

Anastácio Florêncio Corrêa

     Nasceu no dia 11 de março de 1939. Filho de Honório Pereira e Maria da Anunciação Correia, sendo o 3° dos onze filhos, seus irmãos são: Justino Corrêa, Valdemar Corrêa, João de Deus Corrêa, Maria José Pereira, Agostinho Corrêa, Valmir Corrêa, Dulcinete Corrêa, Maria Raimunda Corrêa, Raimunda Corrêa e Edvan Corrêa. Todos residiam na Serrinha – Pericumã. Avós Paternos: Joaquim Pereira e Plautila Pereira e avós Maternos: João da Paciência Andrade e Emília Correia, moravam no Povoado Conceição.

    Começou a estudar com dez anos de idade, na Escola Urbano Santos, com a professor Ciroca, com quem estudou a carta do ABC, Cartilha e o Livro do 1° ano. Sua segunda professora foi Maria de Crescencio, por 6 meses. Depois estudou a EJA, com 32 anos de idade, no CEMA, com a professora Maria da Conceição Corrêa.

     Com 12 anos já trabalhava na Lavoura, pescava e caçava na mata e no campo. Casou-se, com Helena Ribeiro no dia 20 de janeiro no ano de 1960, com quem teve 10 filhos, residindo no Barreiro.

      São eles:  José Reinaldo Ribeiro Corrêa, Reinivaldo Ribeiro Corrêa Rosângela Ribeiro Corrêa, Rosélia Ribeiro Corrêa, Ruben Ribeiro Corrêa, Rui Ribeiro Corrêa, Alda Regina Ribeiro Corrêa, Everaldo Ribeiro Corrêa, Roseane Ribeiro Corrêa e Herbeth Ribeiro Corrêa e mais dois com a senhora Claredite Nogueira, que são Júlio César Nogueira e Fernando Nogueira. Nos anos de 1965 e 1966, foi estudar no Município de Guimarães, na Escola da fé, seis meses em cada ano. Mudara-se, para a sede do Município no ano de 1970.

      O povoado Pericumã, tinha somente duas casas, uma de Honório e outra do seu pai. Depois, foi construída a de Rosico e a de Pedrinho Pereira e da Senhora Joaquina. Não havia estradas, só caminhos abatidos pelos moradores, dividido em quarteirões pelo prefeito. No ano de 1956, Clóvis Ribeiro abriu um comércio no Barreiro e falou com a professora Ciroca para ministrar aulas na casa de André Avelino. Após Ciroca a professora foi Helena Ribeiro, no ano de 1959. Ano no qual Clóvis Ribeiro falou com o prefeito da época, Agripino Marques para construir a Escola Urbano Santos. Sendo Helena Ribeiro a professora até o ano de 1970 e nesse mesmo ano chegou em Peri-Mirim o Padre Edmundo e por ele foi construída a igreja do Barreiro, próximo a Escola. Depois a professora passa ser Juscelina Pereira, por um período de 22 anos.

        No ano de 1970 passa a morar na sede do Município, na casa alugada de Jair Amorim e no dia 27 de fevereiro de 1978, através do Deputado Chiquitinho, ganhou uma nomeação do Estado, para trabalhar como vigia no CEMA, a diretora era Concita Pereira. Trabalhou nessa função por 33 anos. Em 1983, no mês de setembro se separou da esposa, Helena Ribeiro Corrêa. Depois morou com por 11 anos com Maria de Jesus Lopes, na entrada do povoado Porções, separa-se outra vez, e foi morar com Rosa Catarina Andrade por 12 anos na Travessa São José no Campo de Pouso.

     De 02 de janeiro de 2001 até 31 de dezembro de 2012, trabalhou para a Prefeitura Municipal de Peri-Mirim, na função de Fiscal Geral.

    Teve 12 filhos, 24 netos, 11 bisnetos. E morava sozinho, na Rua Desembargador Pereira Junior. Peri-Mirim/MA. Aos 82 anos, faleceu no Hospital do Servidor em São Luís, no dia 15 de maio de 2021, às 18:00 horas. E foi sepultado no dia seguinte no Cemitério do Povoado Pericumã, Povoado onde nasceu e se criou.

Biografia enviada ao Jornal O Resgate por Alda Ribeiro

Sete de setembro no Grupo Escolar Carneiro de Freitas

Na década de 1970, o dia 07 de setembro era dia de desfile obrigatório no Grupo Escolar “Carneiro de Freitas” em Peri-Mirim/MA, lembro-me da Professora de Ciências, Graça Diniz (in memoriam) que organizava e treinava os pelotões diferenciados, ensaiava acrobacias, danças e performances criativas.

Eu nunca soube onde aquela mulher esquia e brava aprendia essas técnicas. Quando eu cursava a 3.ª série, fui escolhida para sair no Pelotão do “Moinho”, treinei, sabia toda a coreografia. Mas tinha que comprar um tecido quadriculado em vermelho e branco.

Fui tirar as medidas da roupa com tia Rosa – esposa de Constantino -, que morava na sede. Na época eu não sabia o motivo, mas mamãe não comprou o tecido. No dia do desfile, como era obrigatório, tive que ir desfilar de farda.

Ainda bem que eu era a menor da turma e ficava no final do pelotão, assim ninguém podia me ver. Ouvia Graça Diniz gritar: “cadê a Ana Creusa??!!!, cadê Ana Creusa??!!”. Não sei se ela me viu, mas o desfile começou e eu podia ver a turma do “Moinho” com suas evoluções.

Senti o gosto amargo da decepção, na mesma hora compreendi que minha mãe não pôde comprar o tecido, pois a tia Rosa não cobraria pelo feitio da roupa.

Voltei para casa, não falei nada para minha mãe, não falei da minha decepção, nada! A professora discreta, que já tinha sido minha professora na 2ª série, também nunca falou sobre o assunto comigo, acho que ela também compreendeu que eu não tinha roupa para sair no pelotão especial.

Graça Diniz voltou a ser minha professora no Ginásio, na matéria Ciências. Quando eu a via, sempre lembrava do fato. Mas eu tinha uma forma de chamar a atenção daquela nobre professora: era estudar mais! Na 5ª série ginasial apenas três alunos passaram direto, sem fazer prova final, eu estava entre eles, com Gilberto Câmara e Delma Ribeiro.

Memórias de Ana Creusa