Graça Maria França Pereira

Ocupante da Cadeira nº 08, que tem como Patrono Secundino Mariano Pereira. Nasceu em Peri-Mirim (MA). Filha de Matilde Pereira de França e Raimundo Benedito França (in memoriam).

Iniciou seus estudos, em 1955, na “Escola Silva Júnior”, no bairro Portinho. Lá, foi alfabetizada. A professora Alzira foi importante nesse processo.

Três anos depois, foi matriculada no “Grupo Escolar Carneiro de Freitas”. Na época, essa era a única escola com o “Curso Primário” completo, o qual hoje conhecemos como “Ensino Fundamental I”. A pedagogia da palmatória marcou essa fase, principalmente quando o assunto era tabuada: quem não acertava as continhas ganhava como prêmio uma palmada, do colega que acertava.

Após essa etapa, ficou sem perspectiva para continuar a vida discente. Passou uns meses em São Luís aprendendo datilografia. E, já no segundo semestre de 1963, após aprovação em um curso ministrado pelo professor João Garcia Furtado, ganhou meia bolsa de estudo, doada por Pe. Gerárd Gagnon, para estudar o “Curso Normal Ginasial” (atual Ensino Fundamental II) em Guimarães.

Assim, nos quatro anos seguintes, viveu num convento administrado por freiras canadenses, às quais tem muita gratidão, pois a intercessão deles foi crucial para continuar sua rotina de estudante. As idas e vindas, duas vezes por ano, não eram nada confortáveis e seguras. Os meios de transporte disponíveis eram cavalos ou bois de montaria, além do barco a vela. Sempre pedia bênçãos divinas!

Em 1968, começou a dar os primeiros passos para mais uma conquista: ser professora! Frequentou o Instituto de Educação do Município de São Luís, concluindo o curso no final de 1970.

Aos 21 anos, casou com com Antonio João França Pereira e, em outubro de 1972, tornei-me mãe.

No segundo semestre do ano seguinte, iniciou o Curso de Ciências na Universidade Federal do Maranhão, em Caxias, o qual acontecia somente nas férias. Por questões políticas, deixou sua cidade natal e foi trabalhar como professora em Anajatuba (MA), onde residiu até 1976. Nessa temporada, Deus lhe concedeu a graça de ter mais filho. Dessa vez, uma menina!

Acompanhando o marido, que tinha sido aprovado no concurso da Caixa Econômica Federal, mudou-se para Caxias (MA). Continuou lecionando. Também estudava para concursos e fuoi aprovada para o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Lá, a família aumentou novamente: deu à luz a mais um menininho, que aos 33 anos voltou para os braços de Deus.

Depois de quatro anos, foi transferida para Barra do Corda (MA), onde nasceu sua caçula. Voltou a se dedicar aos estudos e obtive êxito no concurso para o Banco do Brasil.

Por conta da família e do trabalho, sua vida nômade ainda passou por Carolina (MA), Caxias (MA) novamente e chegou a São Luís (MA), onde trabalhou na Agência do João Paulo até se aposentar.

Desde então, voltou, com meu marido, a morar em Peri-Mirim. Atualmente, trabalha no Sindicato dos Pescadores de Peri-Mirim, no qual atua desde a fundação, e se dedico a prestar serviços na Igreja São João Batista, no Portinho, onde fez a 1ª Eucaristia.

Deixe uma resposta