João Garcia Furtado

Patrono da Cadeira 26 da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP), ocupada por Diêgo Nunes Boaes. Nasceu em Peri-Mirim, no dia 15 de setembro de 1944, e faleceu no dia 24 de junho de 1993. Filho de Paulo Pereira Furtado e de Domingas Garcia Furtado, ambos naturais de Peri-Mirim. Filho mais velho de uma geração de 10 filhos, teve como irmão: Benta Garcia Furtado, Maria do Socorro Furtado Câmara, José Maria Garcia Furtado, Raimundo Garcia Furtado, Geraldo Garcia Furtado, Francisco Garcia Furtado, Inês Garcia Furtado, Cecília Garcia Furtado (in memoriam) e Pedro Garcia Furtado. Sua avó, Teresa Almeida, era descendente de português, oriunda da cidade de Luzitânia.

Foi batizado no dia 15/05/1945 pelo vigário padre René Carvalho, teve como padrinhos: Francisco Mendes e Celina Gonçalves; crismado no dia 22/05/1959 na Igreja Matriz de Guimarães pelo bispo Dom Afonso Ungarelli. Alistou-se no dia 24 de agosto de 1964, na cidade de Fortaleza (CE), porém não serviu o exército.

Cursou o primário do Ginásio Bandeirantes, por cinco anos na cidade de Peri-Mirim-MA, aos 15 anos de idade mudou-se para Guimarães, em busca de uma boa educação, onde ingressou no ginasial por 4 anos na cidade de Guimarães-MA. O Científico por 3 anos na cidade de Guimarães-MA, ambos no Seminário São José, além de aluno, ele também ensinava na cidade para fins de ajudar nas despesas com o seminário, deixou a batina com um mês antes de sua ordenação. Cursou Filosofia por 3 anos no Seminário em Fortaleza (CE) e se formou Bacharel em Letras Modernas durante 3 anos em São Luís (MA), pela UFMA.

Foi professor de língua portuguesa nos colégios “Conceição de Maria”, “Nina Rodrigues”, “Rosa Castro”, “Ateneu Teixeira Mendes”, “Dom Bosco”, “Colégio Batista”, “Santa Teresa”, “Maristas”, “Instituto Divina Pastora” todas em São Luís-MA e “Ginásio Bandeirante” de Peri-Mirim-MA (1968-1976); professor de francês nos colégios “Conceição de Maria” e “Nina Rodrigues” (1969-1971); professor de língua portuguesa, literatura luso-brasileira e história geral do Brasil nos cursos preparatórios de vestibular “Castro Alves”, “CMV”- Centro Maranhense de Vestibulares, sob direção de Carlos Cunha e “VECTOR”.

Fundador e administrador do Cursinho Papa João Paulo, último até sua morte. Aprovado pelo concurso de professor de latim pela UFMA, não assumindo por conta do baixo vencimento e do seu curso ser mais alto e mais lucrativo em relação à vaga. Ofertava de graça seu curso às pessoas que ele via que tinha interesse e força de vontade de estudar, mas não tinham uma boa condição financeira.

Foi diretor do “Ginásio Bandeirantes” de Peri-Mirim (1968); 3 anos secretário e tradutor de cursos agrícolas pela Caritas Brasileira (órgão ligado ao Vaticano) e por 2 anos exerceu o cargo de  Auxiliar de Escritório da Ação Social da Prelazia de Pinheiro. Cursado em datilografia manual e elétrica; diretor de escolas do 1.º grau (intensivo) e de dinâmica em grupo. Falava e escrevia fluentemente o português, francês, inglês, espanhol, latim e italiano e estava já se adaptando ao russo.

Fundou a ASFIP- Associação dos Filhos de Peri-Mirim no dia 27/09/1987 com sede na Rua Rio Branco Nº 276, Centro e no Conjunto Newton Bello, Quadra B, Casa 12 AL, São Luís-MA. Sendo nomeado vice-presidente da associação. Criou o Jornal na ASFIPE, onde publicava os seus pasquins denunciando a política perimiriense, escreveu contos, poemas e crônicas além de ter seus escritos em participação de jornais, como O Estado do Maranhão e revistas como ISTOÉ, considerado um dos melhores professores do Maranhão, escritor de discursos para políticos, iniciou seu primeiro livro, porém, faleceu antes de concluir.

As madrugadas eram pequenas para tanta tarefa, era onde ele se preparava para as aulas do dia seguinte, não utilizava os livros para ministrar suas aulas, a memória e o conhecimento os supriam naqueles momentos. Se sentia bem em ajudar o próximo, não gostava de mídia, se expor suas tarefas para querer se “esnobar”, era contrário a política, mas em 1992, para o bem da cidade de Peri-Mirim, resolveu ser um patrocinador na campanha à prefeitura da cidade, foi atuante na campanha da chapa de Vilásio França Pereira e vice José Ribamar Martins Bordalo, na qual foram vitoriosos.

No município de Peri-Mirim foi homenageado com um prédio da Escola Municipal do povoado Tucunzal e o farol da educação no bairro Campo de Pouso. Em relação a sua grande contribuição para com o município não somente na área da educação, mas em todas as áreas, pois ajudava na saúde, administração, ministrava aulas de catecismo durante a noite em alguns povoados, como Tucunzal, Santa Maria. Atualmente recebe merecida homenagem pelo confrade Diêgo Nunes Boaes.

9 Replies to “João Garcia Furtado”

  1. Grande homem e ser humano, muito a frente da sua época e completamente o oposto dos que se deniminam grandes nis dias atuais, sua humildade, sua sabedoria e seu conhecimento sempre poderá ser referência a homens e mulheres de bem da nossa cidade, do nosso país e por que não falar do mundo!!! Simplesmente um exemplo positivo de um verdadeiro ser humano a todos nós!

    1. Boa noite,
      Agradecemos pelos seus cometários. De fato, João Furtado foi uma grande referência na História do nosso Município e jamais poderá ser esquecido. O mestre além de Patrono de uma Cadeira da nossa Academia, temos um Projeto denominado Clube de Leitura João Garcia Furtado, que já está na leitura do 2º livro. Venha participar conosco.
      http://oresgate.net.br/categoria/alcap/clube-de-leitura/

      Respeitosamente,
      Diretoria da Academia Perimiriense

Deixe uma resposta