Raymond Roger Gérard Gagnon

Biografia cedida à Academia Perimiriense pelo Prof. Carlos Antonio de Almeida (todos os direitos autorais a ele reservados).

Padre Gérard Gagnon, filho de Henri Gagnon e de Eva Thibeault, nasceu no dia 26 de novembro de 1928, em Wotton, Província de Québec/Canadá, e, faleceu no dia 23 de fevereiro de 1992, no Instituto do Coração, em São Paulo. Seu corpo encontra-se sepultado na Igreja de São Sebastião, em Peri-Mirim/MA, onde sempre desejou ficar. O funeral foi dirigido pelo Bispo da Diocese de Pinheiro, Dom Ricardo Pedro Paglia, além de contar com a presença de vários padres canadenses de outras Dioceses do Canadá, e também de outras paróquias e da grande multidão perimiriense.

Padre Gérard chegou ao Brasil, vindo do Canadá, no dia 13 de agosto de 1962, e, já no dia 15 de agosto deste mesmo ano chegou em Peri-Mirim. Ainda, em 1962, foi nomeado Padre Superior da Missão de Sherbrooke no Brasil. Em Peri-Mirim, inicialmente, foi Vigário Coadjutor onde permaneceu até janeiro de 1968, quando foi nomeado Vigário da Paróquia de São Sebastião, até janeiro de 1988, quando, por problemas de saúde pediu seu afastamento, uma vez que a doença o enfraquecia, cada vez mais, desde 1982.

Padre Gérard era graduado em Teologia e Filosofia, além de possuir os cursos de Língua Francesa, Língua Grega, Língua Portuguesa, Catequese, entre outros, incluindo-se aí, cursos de âmbito social. Ordenou-se padre em 03 de abril de 1954 e celebrou sua primeira Missa no dia 04 de abril de 1954, na Igreja Matriz da cidade de Wotton, local de seu nascimento. Foi professor de Francês, Grego e Capelão dos Escoteiros, no Seminário de St. Charles. No Brasil, foi Superior dos Padres Missionários da Diocese de Sherbrooke, compreendendo as Paróquias de São Luís (bairro do João Paulo), Bequimão e Peri-Mirim.

Serviços prestados em Peri-Mirim
Pode-se dizer, sem nenhuma demagogia, que ele foi uma das pessoas que mais trabalhou para que esta terra fosse o que é hoje. Lutou contra a incompreensão de alguns e enfrentou grandes obstáculos.

1963 – Iniciou o projeto de “forno” para casa de farinha a fim de facilitar o trabalho do lavrador e procurou contratar médico para dar assistência à saúde, que na época, era “zero”.

1964 – Começou a ajudar os estudantes para que fossem para Guimarães/MA, a fim de estudar com as Irmãs Canadenses de Nicolet (foi o primeiro passo para Peri-Mirim ter hoje muitos doutores).

1966 – Os padres canadenses organizaram o “Dispensário” – Posto de Saúde/Ambulatório Santa Thereza, recebendo medicação oriunda do Canadá. Neste Posto de Saúde, trabalhava Raimundo Martins Campelo tendo o apoio de uma religiosa canadense que logo foi embora. Os problemas de saúde eram muitos, além de ter um índice elevado de óbitos entre os homens pela esquistossomose (barriga d’água), e, as crianças, muitas morriam de desidratação, seguida pelas verminoses.

Padre Gérard, após decisão com os outros dois padres da Paróquia de Peri-Mirim (Padre Edmond e Padre Bertrand) pediram ajuda ao prefeito José Ribamar França (Bacaba) para pagar uma enfermeira com nível superior para vir trabalhar no município, que após relutar bastante, terminou por concordar. A partir daí, Padre Gérard que se encontrava no Rio de Janeiro, foi até a Universidade do Brasil – Faculdade de Enfermagem Ana Néri e contratou duas enfermeiras: Silvia Alves Barbosa e Ana Lúcia de Almeida, que chegaram para trabalhar em Peri-Mirim no dia 24 de janeiro de 1967.

O ambulatório era mantido exclusivamente com recursos vindos do Canadá, sendo a maior parte destes, oriundos do fundo particular de Padre Gérard, que pagava funcionários, financiava treinamentos para auxiliares de enfermagem, de laboratório e de parteiras leigas. Providenciou vindas de vacinas específicas para crianças e adultos, comprava medicação de rotina para complementar as que vinham do Canadá, além de comprar medicação de urgência e equipamentos básicos para determinadas urgências. É bom ressaltar que o Ambulatório era tão bem equipado e constituído por uma equipe profissional competente, como Dr. Manoel Sebastião, médico e filho da terra, que realizou várias cirurgias, dentre elas: cesarianas, apendicectomia e até miomectomia (retirada de mioma).

Padre Gérard também fez convênio com a Caritas Diocesana e recebia alimentos, como: feijão, arroz, trigo, manteiga, queijo, açúcar, e outros, que eram destinados às famílias cujos chefes trabalhavam como voluntários na abertura e manutenção de estradas e barragens, como as que foram feitas em Santana, Feijoal, Poções, Meão, Minas, entre outras. Construiu pontes com recursos próprios em Pericumã, Meão, Serra, Santana, etc. Também fez convênio com o Governo do Estado e recebia, mensalmente, para o Ambulatório Santa Thereza, leite, açúcar, feijão, arroz e farinha que eram distribuídos para ajudar na alimentação das crianças, gestantes, idosos e doentes crônicos.

Quando a Previdência Social criou o FURURAL – Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural, Padre Gérard legalizou o Ambulatório Santa Thereza junto aos órgãos competentes, com CNPJ, e assim, mensalmente, recebia uma pequena quantia que ajudava na manutenção do Ambulatório. Porém, após três anos, o Governo Federal suspendeu os recursos porque no País havia sido criado um novo sistema de saúde: era o preparativo para o SUS.

Retrocedendo um pouco no tempo, quando o Governo iniciou a aposentadoria para o trabalhador rural e aos “inválidos”, Padre Gérard foi buscar a lei que amparava, sobretudo os portadores de hanseníase (lepra), já que, naquela época, início dos anos 1970, dentre a população de Peri-Mirim, foram diagnosticadas 33 pessoas com hanseníase, as quais viviam em condições sub-humanas, isoladas em pequenos quartos de tetos bem baixos, chão batido, sem fossa, sem poder sair do quarto, não tocavam em dinheiro e nem podiam se misturar com os outros e, sobretudo, nem na igreja podiam entrar.

Diante dessa situação, Padre Gérard localizou todos e com a ajuda das enfermeiras os levou para aposentá-los. Levava-os para São Bento, em um jeep da Paróquia, entrando com eles pela parte dos fundos da Unidade de Saúde para o médico fazer a perícia e dar o laudo para eles receberem uma pensão mensal. Muitas vezes, alguns chegaram a dormir na Casa Paroquial por morarem em área de difícil acesso, pois, pela manhã tinham que estar em São Bento, onde, até o médico ajudava a levar os mutilados (sem pés, sem mãos) para o exame. Este foi o passo inicial no nosso município para a reintegração dos hansenianos na sociedade, pois, a partir daí, eles saíam mais, entravam no ambulatório (o povo fugia um pouco), já não ficavam fora da igreja principalmente quando batizavam o filho. Foi, sem dúvida, um avanço da equipe de saúde local que trabalhava para mudar e acabar com o estigma, entretanto, a Paróquia foi fundamental, especialmente na pessoa de Padre Gérard, para a transformação e a realidade de hoje. Também foram aposentados outros doentes portadores do mal da barriga d’água, consequência da esquistossomose, que ainda hoje, em menor incidência, acomete à população. Eis algumas pessoas que foram beneficiadas pela aposentadoria, com problemas de hanseníase: João Pindova (Meão), Maria Pindova (irmã de João – Meão), Chico (das Minas), Maria José (Juçaral), Curujinha (Portinho) e muitos outros, em sua maioria do Meão. Também teve um do Poço Dantas (irmão de João), outros do Rio da Prata e também da Sede.

Da mesma forma, levou alguns jovens e adultos para Teresina/Pl, em seu carro próprio, a fim de consultar e operar, quando necessário, com Dr. Mansueto Martins Magalhães, oftalmologista e cirurgião oftalmologista, especialista glaucoma e catarata, pagando hospedagem com alimentação, inclusive para acompanhantes quando havia cirurgia para algumas pessoas. Dentre essas pessoas, citam-se Inácia de Jair, Herbelino Pereira, Aluísio Pereira, dois primos jovens do Centrinho cujos nomes não são lembrados, mas há fotos deles, que fizeram cirurgia e ficaram curados, entre outras pessoas.

Procurou, juntamente com um agrônomo que contratou, introduzir a agricultura rotativa, para evitar as queimadas e mudança de local para as roças, usando um trator da Paróquia para destocar e arar as terras, mas não avançou muito. Também introduziu as hortas comunitárias, com campo experimental em Santana e que foi um sucesso, pois abastecia todas as famílias do local. Todavia, pela falta de estradas para escoamento, não teve continuidade. Portanto, procurou implantar várias fontes de renda para melhorar a vida de todos de Peri-Mirim.

Na Festa da Fraternidade reunia todas as comunidades (27). Era um dia de brincadeiras (cada comunidade apresentava alguma coisa) e também ocorriam orações, abraços, almoço partilhado, procissão, culminando com a Santa Missa que quase sempre contava com a participação do Bispo da Diocese, em algumas ocasiões, pelo Bispo do Canadá, além de vários padres e amigos convidados.

A Casa Paroquial, Salão Paroquial e todo terreno do Ambulatório Santa Thereza, com o fechamento da Diocese de Sharbrooke em Peri-Mirim, ficaram para o Padre Gérard, por decisão e recompensa do Canadá, mas que diferente dos demais padres de outras Paróquias não vendeu nem doou a terceiros, deixando tudo para a Diocese de Pinheiro. Do mesmo modo, durante os anos de permanência dos Padres canadenses em Peri-Mirim, a Paróquia foi mantida exclusivamente com recursos do Canadá, e, no final, com recursos próprios de Padre Gérard.

Padre Gérard fundou as Comunidades Eclesiais de Base, que em princípio eram poucas, mas ele conseguiu elevar para vinte e sete. Abaixo a relação das comunidades. As que têm asteriscos eram visitadas mensalmente, usando sempre os sábados e domingos, fazendo sempre três em cada um desses dias. Durante a semana celebrava a Missa às 6:15 horas (de segunda a sábado). Também pregou e incentivou a devoção a Virgem Maria e incentivou a vocação sacerdotal e religiosa.
Eis a relação das vinte e sete comunidades:
*Sede / *Portinho / Minas / *Jaburu / Sacoanha / Meão / *Santa Maria / *Igarapé-Açu / *Centro dos Câmaras / Canaranas / *São Lourenço / Poções / Feijoal / *Ilha Grande / *Taocal / *Inambu / Ponta de Baixo / *Santana / *Torna — Rio Grande / *Miruíras / *Baiano / *Pericumã / *Conceição / *Poço Dantas / *Rio da Prata / *Tijuca / *Três Marias.

Outros serviços prestados
Fundou e organizou escola para adultos em várias comunidades;
Fundou a Cooperativa, começando pela Comunidade de Santana, e, em 1969, criou a Cooperativa Agro-Pecuária de Peri-Mirim Ltda., com sede própria, onde, atualmente funciona o Sindicato dos Produtores Rurais, (também teve uma filial da Cooperativa em Pericumã – casa do Sr. João Dias);
Comprava redes das rendeiras, coco de babaçu, apenas para ajudar essas pessoas;
Beneficiava arroz para vender mais barato, com máquinas próprias, em sede própria, no prédio onde funcionou a Central da Telma, atualmente, funcionando o Conselho Tutelar;
Comprou búfalos e uma ilha (Ilha das Pedras) mandando cercá-la com mourões e arame (entretanto, tudo que compunha à Cooperativa, foi repartido igualmente com os associados no momento da dissolução da mesma, que aconteceu por causa de sua saúde que não permitia tamanha responsabilidade).
Construção de estradas com participação da comunidade, como: Meão, Centro dos Câmaras, Santana, entre outras;
Construção de pontes no Meão, Pericumã (perto da casa de Sr. Honório), Santana, etc. Construção de barragem no Feijoal e em Santana;
Ambulatório: fundou e equipou com material básico e medicamentos; contratou duas enfermeiras formadas para assumir a parte da saúde;
Colégio Bandeirantes: primeiro ginásio, ou seja, curso secundário de Peri-Mirim, que só foi implantado porque Padre Gérard aceitou ser Diretor, em 1967, já que, naquela época, nenhum professor tinha curso para desempenhar essa função. Portanto, Padre Gérard, de certa maneira, abriu as portas para a educação e para a cultura do município;
Pagou para alguns filhos de Peri-Mirim o curso secundário (alguns até a faculdade), como foi o caso do ex-prefeito João França Pereira.

Eis a relação dos cidadãos de Peri-Mirim que foram para Guimarães/MA ou para São Luís/MA, para estudar na Escola Normal, na Escola da Fé (Guimarães/MA) ou no Seminário São José ou Santo Antonio (São Luís/MA). Todos com bolsa de estudo integral (maioria) ou parcial, pagas por Padre Gérard Gagnon (uma pequena ajuda do Canadá): Itapoã França Santos, Maria Campos Botão, Francisco Viegas Paz, Izidoro Ferreira Nunes, Regina Braga, Raimundo Martins Campelo, Graça de Maria França, Antonio João Pereira, Esdras Serra Maia, Maria das Graças Serra Maia, Vital Boás (catequese), Anastácio Florêncio Corrêa (catequese), José de Jesus Câmara, Miriam Costa Pereira, José Carlos Durans (catequese), João Amorim Pereira, Ednaldo Pereira (catequese), Lilázia Ribeiro, João Garcia Câmara, José João Lopes, Raimundo João Santos , Raimundo Martins dos Santos Filho, Nadir Alves Nunes, Terezinha Botão Melo, Maria de Lourdes Santos, Torquato Leandro Santos (catequese), Francisco Antonio Câmara, Ana Maria Câmara, Rosevelt Silva Ferreira, Maria Botão Melo, Luís Martins, João Garcia Furtado, Waltemar Braga, João França Melo, João França Pereira (até a Faculdade, ex-prefeito), José de Ribamar Silva, Ione Serra Maia, Pedro Alfredo Câmara (catequese), Manoel Lopes (Nhozinho – catequese), Manoel Azevêdo Martins, Pedro Pinheiro Martins (catequese), José Dias Pinheiro (catequese), João Ferreira (catequese), Raul Mendes Filho, Luzinete França Pereira, Cloves Ribeiro Filho, Maria Pinto Pinheiro, Antonio Lima, José Raimundo Pinheiro, Irene Cecília Nunes, José Mariano da Silva (catequese), Raimundo Martins Nunes, Afonso Pereira Lopes (catequese, ex-prefeito), Francisca Maria Câmara e Conceição de Maria Botão.
Observação: outros jovens ou adultos também foram beneficiados com bolsa de estudos mas, infelizmente, não foram relacionados. Também, alguns dos nomes mencionados poderão ter seus nomes incorretos, a quem se pede desculpas.

Semana Escolar: quatro dias por semana, nas férias dos estudantes, custeava despesas para que eles pudessem dar sua colaboração às comunidades com culinária, artesanato, aulas de português e matemática (à noite);

Clube das Mães: incentivou e colaborou na construção de sua sede;
Escola da Fé: curso de preparação para catequistas em Guimarães/MA, para onde enviava representantes de nossa comunidade, sendo custeadas pela Paróquia as despesas de viagem e hospedagem, sem contar a ajuda que dava aos familiares que aqui ficavam, como por exemplo: Anastácio Corrêa, José Silva, José Dias, João Silva Ferreira, entre outros que também participaram.
Legião de Maria: fundou várias capelas para incentivar e cultuar a devoção à Virgem Maria, sua Santa preferida, chegando a fundar em 1967 a Consagração da Paróquia a Ela.
Além disto tudo, sua maior preocupação foi sempre a pessoa humana voltada para Deus. Por isso, manteve sempre as comunidades com Missas regulares, os casamentos para todos, cursos bíblicos, cursos para Batismo, para Crismas e para Casais. Foi padre, “pai” e amigo, pois, sua maior alegria era ver seus paroquianos tementes a Deus e devotos de Maria, deixando como legado para todos nós, que é a oração: “Ó Maria, minha mãe, / Oferecei por mim a Deus Pai, / O Sangue de Jesus.”

Adepto da PAZ, quando havia desunião dentre os membros da comunidade, inicialmente não rezava a Missa, porém, realizava encontros comunitários com os desafetos, em particular, e, no final, rezava a Missa da Reconciliação, com celebração festiva.

Quando ainda era capaz de trabalhar, mas dependia dos amigos para que os sinais de sua doença não aparecessem, muito sofria em ser mal interpretado. Porém, antes de morrer, balbuciando disse que “foi feliz com o povo de sua terra, Peri-Mirim”.
Diagnosticado com o “Mal de Alzheimer” desde 1973, em Belém/PA, corria contra sua perda de memória para trabalhar pela evangelização e pelo bem dos mais pobres. Peri-Mirim tem motivo demais para agradecer a Missão Canadense, em especial a Padre Gérard Gagnon, que com sua visão de um futuro melhor, concedeu a inúmeras pessoas uma formação humana e cristã. Muito do que temos hoje, deve-se à iniciativa e ao esforço deste grande homem e padre. Ao longo de seus vinte e cinco anos à frente da Paróquia São Sebastião deixou a lembrança para muitas famílias que foram abençoadas por meio do batismo, casamentos, missas, comunhão, reflexões, ajuda espiritual, moral, financeira e material. Foram inúmeras as maneiras de ajuda que a população perimiriense recebeu gratuitamente pelas suas simples e humildes mãos, mesmo sentindo diminuírem sua memória e suas forças em virtude da doença que a cada dia só progredia, jamais os abandonou.

Finalmente, aquele que deu tudo, precisava receber tudo (orações) para continuar vivendo até o dia em que faleceu: 23 de fevereiro de 1992, às 19:45 horas, um domingo que poderia ser de alegria, mas terminou triste e saudoso, no Instituto do Coração, em São Paulo. O corpo de Padre Gérard foi trazido para Peri-Mirim e sepultado no dia 25 de fevereiro de 1992, onde sempre desejou ficar: “sua casa” como costumava chamar a Igreja de São Sebastião.

Deixe uma resposta