Nota de Pesar pelo falecimento de Anastácio Florêncio Corrêa

Os membros da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) vêm externar o mais profundo  pesar pelo falecimento de Anastácio Florêncio Corrêa, pai da acadêmica Alda Regina Ribeiro Corrêa, ocorrido às 20 horas deste sábado, dia 15 de maio de 2021, no Hospital dos Servidores Estaduais em São Luís.

Ao longo de sua vida, Anastácio sempre esteve envolvido em movimentos sociais e políticos em prol dos trabalhadores, especialmente os mais humildes. Era um profundo conhecedor das causas sociais que pudessem beneficiar as pessoas do seu lugar.

Construiu uma família exemplar e sua lembrança ficará eternamente gravada na alma dos seus conterrâneos e amigos. Anastácio deixa saudades, faz parte da História de Peri-Mirim, e deverá ser lembrado para sempre, como alguém que não se curvou diante das dificuldades.

Neste momento, as palavras falham, então, juntamos as nossas orações para que Deus fortaleça os corações dos familiares, conterrâneos e amigos do saudoso Anastácio.

Receba nossos pêsames, confreira Alda Ribeiro e à sua família. Lembrem-se que a morte não é o fim, é o coroamento da missão de Anastácio, o ápice do seu serviço aqui neste plano material. Deus esteja com toda a família neste momento de dor e saudades.

Finalmente, apresentamos à família Ribeiro Corrêa e aos amigos enlutados nossos sinceros sentimentos de solidariedade e respeito, bem como condolências pela inestimável perda.

POEMA ÀS MAMÃES

Por Nasaré

Hoje é o seu, o meu,
O dia de todas as mães.
Mãe sofrida, mãe querida,
Mãe amada, abandonada,
Não importa, coração suporta,
Dor, alegria, felicidade, nostalgia.
Qualquer que seja a sorte,
Só não aceita a morte
Destruir sua fantasia.

 

Fantasia e sonho
Tudo num só enredo.
Enredo cheio de segredo
Que só coração de mãe sente.
Coração fica dormente
Cheio de tanto amor,
Que se transforma em dor
Quando um filho lhe desmente.

 

Mãe, quisera eu poder.
Todo o amor expressar.
E só assim demonstrar
O que sinto por você.
Com gestos, palavras, ações,
Tirar a dor dos corações
Das mães que vivem a sofrer

 

Mãe, quando digo que te amo.
Não é engano, pode crer.
O que sinto por você
É amor, ternura carinho,
Mãe você é o caminho
Quando as portas se fecham,
E não mostra uma brecha
A clarear meu destino.

 

Quando já é dia ou noite
E o mundo parece açoite
A destruir minha vida.
Lembro teus braços, querida.
Que outrora me carregaram
E jamais me abandonaram,
Quando já desfalecida

 

Sem você a minha vida
Não seria cheia de graça,
Seria apenas fumaça
A evaporar-se no ar.
Amor, carinho, ternura.
Seria só desventura
Se não pudesse lhe amar.

 

Mãe, você é tão linda!
Tão meiga e tão formosa!
Parece mesmo uma rosa
Que vive a desabrochar.
Até mesmo quando triste,
Com seu sorriso insiste
O seu amor demonstrar.

 

Mãezinha, quantos netos,
Quanta alegria recebeu!
E quanta alegria nos deu,
Com sua firmeza de mulher
Mãe, seu abraço é meu suporte
Mas, infelizmente a morte
Transformou-a num mister.

 

Oh, minha querida mãe,
Mãezinha meiga e singela
Quanta dor eu lhe causei!
Alegria que não desfrutei,
Vivendo ao lado seu,
Peço-lhe mil vezes perdão
Do fundo do coração
Peço à senhora e a Deus.

 

Com tantos momentos belos
Os mais lindos e singelos
Foram os que vivi do seu lado.
Junto do meu pai amado
Deram-me só amor e carinho
Mostraram-me sempre o caminho
Da Verdade e do Adorado.

 

Quantas noites, tantas vezes
Já passaste sem dormir
Cuidando sempre de mim
E dos outros irmãos meus.
Só quem sabe mesmo é Deus
O que a senhora passou
Minha mãezinha querida
És minha melhor amiga
Que Deus para mim, enviou.

 

É certo que só devia
Ser um milagre de Deus
Este grande criador
Que a mim destinou
Esta mãe especial
Vinda do espaço sideral
E enviada por Jesus
Clarear-me com sua luz
A me defender do mal.

 

Mãe você é para mim
Um imensurável tesouro
Que nem a peso de ouro
Jamais poderia comprar.
Sinto falta do seu colo
Em meus momentos de dor.
Descanse em paz, minha mãe,
Ao lado de quem sempre amou.
Fim.

Amor Perfeito

Por Eni Amorim

Eu quis um dia entender esse amor de mãe.
Mas, acho que nenhuma literatura consegue explicar.

A mãe passa nove meses alimentando um embrião em seu ventre;
Sente náuseas,
Tonturas;
Enjoos;
Vomita até ficar verde.
Desmaia.
O nariz cresce,
Os seios crescem,
Os pés e as pernas incham,
O umbigo estufa,
A barriga cresce,
O corpo perde as formas;
Sente dores nas costas;
Tem desejos estranhos;
Não consegue posição confortável para dormir;
Sente cansaço;
Geme as dores do parto.

Depois que o bebê nasce,
Inicia outra maratona,
É um tal de:
Troca fraldas,
Limpa a bunda,
Dá banho,
Troca a roupa;
Dá de mamar,
Bota pra arrotar,
Aguenta as golfadas,
Acalenta o bebê,
Não dorme direito (o bebê não deixa),
A mãe deixa de comer para encher a barriga do filho;
Quando o filho está doente vela por ele,
Seu amor é unguento para todas as dores,
O amor de mãe é contundente,
Literalmente um amor visceral.
Amor de mãe é luz que não se apaga,
Ainda que os ventos sejam fortes,
Se o filho está feliz ela também está,
Se o filho está infeliz ela também será,
Quando o filho sai à noite,
Ela só dorme depois que ele chega,
Se o filho vem lhe visitar ela dá um sorriso de orelha a orelha,
Seus olhinhos brilham como a luz do sol.
Se o seu filho entra numa fria,
Ela entra junto com ele.
A mãe pelo seu filho:
Ela mata! Ela morre!
A pior dor de uma mãe,
É ver o filho morrer antes dela,
O seu coração murcha como uma flor arrancada do caule.

Ser mãe é sofrer no Paraíso,
É andar chorando com um sorriso,
Ser mãe é ser uma leoa, Ser mãe é ser uma fênix,
Ser mãe é uma missão.
A mais sublime das missões.
Ser mãe é ser formadora de caráter,
Ser mãe é um dom que transcende a todos os dons.

Eu acho que quando Deus criou a mãe, foi para ter uma representante do céu aqui na terra.

Obrigada mamãe por ser esse canal entre o céu e e a terra.

Um dia de mendigo

Por Ana Creusa

Final da década de 1950. Era festejo do glorioso São Sebastião. Igreja lotada. O padre Edmundo de frente para a cruz do altar e de costas para os fiéis, celebrava a Santa Missa em latim.

Terminada a missa. O pároco desceu do altar, reuniu os padrinhos e madrinhas em um círculo, para dar as instruções sobre o concorrido Batizado.

Desde à entrada na igreja, ninguém conseguia tirar os olhos da esposa do famoso advogado Joaquim. Ela estava vestida em um tubinho escarlate que, além de curto, deixava à mostra os fartos seios.

O santo padre não teve como ignorar a situação. Voltou-se ao marido, que estava muito bem trajado, de terno e gravata, então, poderia resolver o problema. Pediu-lhe gentilmente.

– Empreste seu paletó à sua esposa, para que eu possa dar seguimento ao Batizado.

O advogado fez ouvido de mercador. Continuava ereto, na sua pose de sempre.

– Cubra sua esposa com seu paletó, Doutor! Ordenou o padre.

Os presentes imaginaram que o orgulho do advogado seria a causa da recusa de se despir do apetrecho que fazia parte do seu costumeiro traje.

O advogado ainda pensou se aquela seria a melhor saída, ou se simulava alguma desculpa, típica do teatro do Tribunal do Júri.

Sem outra saída possível, o Dr. Joaquim resolveu obedecer ao padre e retirou seu paletó, bem devagarinho, com gestos indecisos.

Sob a admiração de todos, o advogado deixou à mostra uma camisa toda rasgada, que lhe sobravam apenas o colarinho, que segurava uma gravata de seda, e os punhos que ficavam à mostra quando levantava os braços.

A situação era constrangedora! Todos viram os farrapos que estavam sob aquele paletó de linho belga, vestido pelo rico advogado. Na ocasião, suas vestes imitavam ao de um mendigo, sem que tivesse a mesma humildade.

Os muitos afilhados ficaram órfãos das bênçãos do padrinho, pois o famoso advogado nunca mais pisou no município.

História passada de pai para filhos, por José dos Santos, patrono da Cadeira nº 24 da ALCAP.