AS MÁSCARAS

Autora Eni Amorim

Surgiram nas primeiras comunidades humanas (a. C).

Representavam fenômenos ou atividades;

Um meio de comunicação;

Usadas em rituais religiosos;

Manifestações populares;

Sobre diferentes formatos e funções;

Está presente:

No cinema, no teatro, na música, na dança;

Nas suas múltiplas facetas,

Alegraram bailes, festas, carnavais;

Desencadearam fantasias sexuais;

Na queima das bruxas;

Corte de cabeças de condenados;

Nos campos de concentrações;

Protegiam o rosto dos carrascos.

Nas indústrias, protegem os trabalhadores;

Nos hospitais, protegem médicos e enfermeiros;

E todos que salvam vidas.

Já foram de ferro, madeira, folhas, argila, couro, papel, resina, gesso e cera;

As mais famosas foram:

Bobo da corte, Arlequim, Pulcinella, Pierrot e Colombina.

Atualmente com a pandemia do novo coronavírus,

Elas se tornaram adereços indispensáveis,

De segurança em todo o mundo,

Para a proteção e combate ao contágio,

De um vírus que mata!

As industrializadas possuem um padrão,

Para as classes de riscos específicos;

Podem ser de silicone, pvc, com válvula de exalação ou sem válvula;

De tecido, ou outro material, ideal que tenha FPA – Fator de Proteção Atribuído (relacionado com bom estado, corretamente ajustado no rosto e usado todo o tempo em que o usuário permanece na área de risco).

E assim,

Além de proteger,

Elas vão mascarando:

Faces conhecidas,

Semblantes,

Sorrisos,

Alegrias…

Só não conseguem mascarar:

Depressões,

Ansiedades,

Tensões,

Medos,

Lágrimas.

A Dor,

Da perda de tantos amores,

Tantos sonhos,

Tantos projetos,

Que jazem nas saudades e nas lembranças,

Eternizadas nos corações.

No Terreiro da Bisa Bebel

Autora Eni Amorim

No terreiro da Bisa Bebel havia uma infinidade de animais domésticos: galos, galinhas, frangos, frangas, patos e paturis.

A bisa nunca tinha ouvido falar em logística, mas na sua sabedoria popular já utilizava na administração do seu sitio princípios de logística.

O seu galinheiro era bem dividido: as partes das galinhas adultas onde eram colocados os ninhos para postura e chocagem de ovos; a parte dos frangotes, a dos pintos. Todas as acomodações tinham vasilhas com água e poleiros para os animais.

 À parte ficava o chiqueiro dos patos e paturis adultos e o compartimento dos patos e paturis pequenos.

Tibúrcio era o galo do terreiro, ele era garboso, possuía o peito carnudo e avermelhado, cristas e esporas e uma barbela pendurada no queixo. Sem dúvidas nenhuma possuía o posto mais alto na hierarquia do galinheiro; ele gostava de procurar sempre os locais mais altos para cantar seu cocoricó estridente de forma a mostrar quem mandava naquele espaço.

Tibúrcio arrancava suspiros das galinhas e franguinhas do galinheiro, estas quando o viam desfilar garbosamente pelo terreiro diziam entre suspiros: – Nossa que galo bonitão e gostoso! E reviravam os minúsculos olhinhos.

As franguinhas coitadinhas, não podiam “arrastar as asas” para os frangos porque o galo logo chegava ciscando o terreiro chamando o frangote pra briga, quando o franguinho dava uma de valente logo provava dos afiados esporões do Tibúrcio.

As galinhas poedeiras quando se ajeitavam no ninho para botar ovos o ilustríssimo galo se punha a andar pra lá e pra cá em um nervosismo animal; Tão logo que a galinha põe o ovo, ela abre o bico anunciando que botou o ovo, por outro lado, o galo esgoela-se numa cantoria como se anunciando: – Meu filho nasceu!

As donas galinhas, como todas as mães são seres incríveis, são carinhosas, amorosas e fazem tudo pelos filhotes, elas não fazem discriminações, cuidam de qualquer filhote órfão como nos mostram filmes e documentários.

Especialistas dizem que as galinhas são as melhores mães do reino animal. Quando ela sai com sua ninhada para passear, veste a sua melhor armadura e aí do predador que se atrever a mexer com seus filhotes. Muito cuidadosa quando encontra um marisco chama a ninhada para degustar e é uma alegria só ver o piar dos pintinhos mariscando. As galinhas falam com seus filhotes em tons suaves ainda no ovo, e estes podem ouvi-las a partir de sua casca.

Os animais possuem sua linguagem própria; além do famoso “cacarejar” as galinhas também gritam e alertam seus companheiros do perigo de predadores nas proximidades.

Os patos e paturis são animais bem alegres, são também precoces, seus filhotes são capazes de andar, deixando o ninho algumas horas depois de serem chocados. A mamãe pata leva seus filhotes para nadar e é uma bela  paisagem ver os patinhos nadando atrás de sua mamãe pata.

Os patos machos ficam com suas penas mais exuberantes  no período de reprodução também são mais silenciosos do que as patas. (Acho que faz parte do lado feminino ser mais barulhento, risos)

Como todo amor de mãe a mamãe pata faz tudo para proteger os seus filhotes. Quando faz o seu ninho, puxa do seu próprio peito as mais macias penas para alcochoar o ninho e aquecer melhor os ovos.

Enquanto os machos são mais silenciosos, as fêmeas são capazes de fazer diferentes barulhos e são bem mais vocais. É muito comum quando elas avistam pessoas no terreiro darem um sonoro quak, quak, quak…

Com todos os cuidados com seus animais domésticos a bisa Bebel quando tinha que sacrificar um dos seus animais para fazer comida sofria um pouco devido o apego ao animal. Todos os dias no final da tarde na hora de agasalhá-los ela ia conferir se tudo estava nos conformes e ficava triste quando percebia que seus animais tinham sido atacados por raposas, maracajás, teiús, gambás ou outros predadores.

Era agradável ver quando a bisavó saia no terreiro, os animais faziam a maior festa pra ela em cantos, piados ou até beliscões típicos da linguagem do mundo animal dessa maneira podemos dizer que os animais interagem e aprendem com o mundo e tem muito a ensinar os humanos.

Peri-Mirim, 03 de abril de 2021.

Fotos atuais do terreiro do Sítio Boa Vista de Ana Cléres, sobrinha-neta de Isabel Nunes.

Peri-Mirim, mirim…

Autora Giselia Martins

Peri-Mirim, mirim…

Tão pequenina,
Tão aconchegante
Tão admirada
Entre tantas outras,
A mais amada!

Minha doce cidade
De encantos mil
Tão pequena
Tão sublime
Neste imenso Brasil!

Oh! minha cidade
Quero viver com alegria
Ao lembrar de minha infância
Vivo um momento de nostalgia.

As memórias que tenho de ti
São lembranças de meus quintais
Brincando com meus irmãos
Tempos que não voltam mais…

Peri-Mirim, meu lugar querido
Não te troco por outros, jamais…
Terra de meus amigos
De meus avós e de meus pais.

Quanto orgulho tenho de ti
Te carrego no meu coração
Cidade mais que hospitaleira
A mais bela do Maranhão.

Peri-Mirim, 22/03/2019

Padre Helder, um ícone na formação religiosa de Peri-Mirim

Autora Adelaide Mendes

Padre João Helder era Missionário do Sagrado Coração (MSC). Nasceu na Holanda em 14/08/1930. Chegou ao Brasil em 1960.

De 1980 a 1986 Trabalhou na Paróquia de são Matias em Alcântara juntamente com outro padre também Holandês,  João José os quais tinham um grande comprometimento social no inicio da implantação da Base Espacial em Alcântara, estando ao lado das comunidades Quilombolas e outros movimentos e entidades que se posicionaram contra a maneira como a base espacial fora instalado no Município, havendo muitos confrontos e enfrentamentos nas questões sociais. Fortaleceu o Sindicato Rural de Alcântara o qual deve muito sua organização e até apoio financeiro, as formações da palavra de Deus e a formação social ao padre Helder.

Por intermédio da estrutura da paróquia, que deu total apoio ao Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Município de Alcântara, segundo pessoas entrevistadas que conviveram com o padre Helder, a igreja católica e o sindicato eram contra o sistema de remoção dos moradores quilombolas  de seu local de moradia com promessas de vida digna e até hoje nada vezes nada; a luta dos movimentos sociais era para que a remoção dos moradores acontecesse em condições humanas de desenvolvimento. Há trinta e cinco anos, quando os primeiros moradores das comunidades foram indenizados, pegaram o dinheiro e logo gastaram e hoje alguns desses moradores habitam as palafitas do bairro da Liberdade/Camboa, a vida não mudou, ou seja, mudou pra pior, isso é fato social.

Em Peri-Mirim atuou de 1988 a 2003 dando continuidade aos projetos de evangelização e pastorais, formação catequética, bíblica, reorganização das comunidades Eclesiais de Base (CEB’s), reuniões mensais, estudo bíblico, Liturgia da palavra e cânticos. Implantou o dízimo na paróquia, contribuiu para a vinda das Irmãs Clarissas Franciscanas para o município, deu apoio  às Santas Missões Populares, ECC – Encontro de Casais com Cristo, reestruturou a Festa da Fraternidade celebrada com todas as CEB’s. Promoveu reformas na igreja e salão paroquial na sede, além de reformas e construção de igrejas nas comunidades. Trouxe para o município Escola Sindical assessorado pela CPT- Comissão Pastoral da Terra (que atua nas questões agrárias) e Cáritas, cuja missão é trabalhar para construir um mundo melhor especialmente para os pobre e oprimidos.

Padre Helder de maneira discreta e acolhedora atendia a todos os paroquianos que vinham ao seu encontro; dispensava uma atenção especial às pessoas socialmente mais vulneráveis.

Em 2005 foi transferido para Fortaleza, atualmente residia na comunidade de São João Batista do Tatuape.

Regularmente visitava a Diocese de Pinheiro, considerado grande benfeitor da referida diocese, ajudando na manutenção da Fazenda do Amor Misericordioso.

Na Diocese de Pinheiro exerceu os seguintes ofícios pastorais:

1980 – 1986: Paróquia São Matias em Alcântara-MA;

1988 – 2003: Pároco da Paróquia São Sebastião em Peri-Mirim-MA;

1988 – 2000: Coordenador da CPT (Comissão Pastoral da Terra) e da Cáritas na Diocese de Pinheiro;

2003 – 2004: Assistência nas paróquias de Peri-Mirim e Pinheiro.

Padre Helder deixou-nos um legado imperecível, tanto pela formação bíblica quanto ao apoio aos movimentos sociais.

Às gerações que não conheceram o padre Helder, este deixou em Alcântara uma sólida formação cristã, casada com a formação bíblica, assim como contribuiu para uma verdadeira consciência política e cidadã.

No alto dos seus 90  anos deixou de habitar no corpo material, celebrando, portanto sua páscoa definitiva em 26.02.2021

Entrevista com Daniel das Chagas Mendes.

Camelôs em Peri-Mirim: sextas-feiras gordas e magras

Autor Diêgo Nunes

Como dizem os mais velhos: “dia de muito, véspera de nada”. Assim acontece com os camelôs, ou os carros de roupa, como são conhecidos por nossa população, que se instalam às sextas-feiras há aproximadamente trinta anos aqui em Peri-Mirim. A dificuldade financeira os trouxeram não só a Peri-Mirim, mas para algumas outras cidades da baixada maranhense. Que viajam as localidades em busca de uma renda extra.

Aqui em Peri-Mirim, eles iniciaram na Avenida Duque de Caxias com dezesseis barracas de roupas, ficaram lá no período de oito anos, depois mudaram-se e fixaram-se por dois anos no bairro Campo de Pouso, em seguida para o Rua Presidente Vargas, depois para o Mercado Municipal e atualmente estão na Rua Rio Branco situados a dezenove anos, às sextas-feiras, funcionando com doze camelôs, onde vendem roupas, calçados, utensílios domésticos, cosméticos, verduras, entre outros.

Os camelôs são de cidades da baixada maranhense: Viana, São Vicente Ferrer, Matinha, São Bento, Pinheiro e Bequimão, vão em casa e passam com a família algumas horas, fazem o que tem que fazer, organizam e voltam a luta, são viagens rotineiras e costumeiras de toda semana, onde a necessidade os faz ficar longe da família.

Eles já chegam na quinta à tarde, cansados, de uma semana exaustiva, que se inicia no domingo na cidade de São João Batista, segunda em Matinha, terça se dividem, uma parte vai para Cajari e outra para Pedro do Rosário, quarta vão para São Vicente Ferrer, quinta Cajapió, sexta em Peri-Mirim e sábado novamente se dividem, dessa vez em Olinda e Penalva.

Esses camelôs, já passaram e passam por situações difíceis, desde a saída de casa, a ausência no meio familiar, as viagens estressantes, cansativas e arriscadas até às hospedagens indesejáveis, onde eles muita das vezes, se alimentam fora de hora, não dormem tranquilos, já até passaram fome, ficaram o dia inteiro sem tomar banho, pegaram chuva às altas horas da noite, já foram expulsos a cachorro de algumas cidades, ou até mesmo pelo poder municipal, dormiram ao relento ou embaixo das suas barracas que já deixam prontas para o dia seguinte não ter a preocupação em montá-las.

Atualmente existem duas cidades que pensando em proteger o comércio local, proibiram os camelôs de exercerem suas atividades, e em outra cidade, o poder público municipal os cobra o valor de R$ 2,50, referente ao Alvará de Funcionamento, e eles pagam, pois não têm outra opção e nessa cidade corre dinheiro, como diz o senhor Cláudio.

Como antes eles chegaram a ter vinte e duas barracas trabalhando aqui em Peri-Mirim; com a pandemia houve uma redução para doze barracas. Muitos camelôs por conta das situações citados no início, deixaram de exercer a atividade, pois muitos montaram seus próprios negócios, já se aposentaram por idade, têm outras fontes de renda, aí deixaram de vir, nas cidades de Penalva, Olinda Nova e Cajapió, por exemplo, não tem mais nenhum camelô ambulante que atuava nessas aventuras semanais em busca do sustento.

Em Peri-Mirim, como bem sabemos, a cidade é hospitaleira, os camelôs têm muitas amizades, e vendem bem, eles já têm as clientelas certas, quando necessitam de um banho, eles encontram quem os ajude, a fazer suas refeições, eles têm sempre uma mão amiga, qualquer situação, eles são amparados. Dona Ana que trabalha a 15 anos em Peri-Mirim disse tudo: Peri-Mirim é muito acolhedor, quando nós chegamos fomos bem recebidos, vendemos bem, aqui já temos muitos clientes e o melhor, temos muitos amigos, não quero largar de vir pra cá trabalhar, só não moro aqui porque tenho minha família toda em São Vicente senão eu tava aqui direto.

Como diz dona Celina, matinhense que foi umas das camelôs pioneira aqui em Peri-Mirim: Nas sextas-feiras em Peri-Mirim, tem dia que dá bem de venda, tem dia que dá mal, mas o prazer de vim para cá, não tem preço, ao invés de ficar em casa, vamos a Peri-Mirim, quem sabe não vendemos alguma coisa?

Por outro lado, há uma indignação: há várias décadas pelos comerciantes e lojistas perimirienses, pois não existe e nunca existiu  iniciativa do poder público municipal para que as feiras fossem organizadas por eles mesmos, e a renda ficasse aqui mesmo na cidade. Se faz necessário o convite aos artesãos, produtores e criadores rurais expor seus produtos de maneira fixa não só uma vez por semana.

As mudanças constantes outrora feitas pelos prefeitos anteriores, eram reclamações da própria população, pois os camelôs deixavam o local de trabalho sujo, jogavam lixo nos quintais, as calçadas, furavam as ruas com as barracas e com o tempo criavam-se os buracos. Vendo isso os governantes da cidade de Peri-Mirim achavam melhor em mudá-los de localidades. Mas infelizmente os problemas persistem.

Outro fator que contribui para a permanência dos camelôs na cidade, é que existe uma cultura do comodismo, que no camelô as coisas são mais baratas, e o povo que não tem renda fixa, não quer de fato trabalhar, tem vergonha de fazer serviços de ambulante.

Imagem da Internet

Irmã de Jacinto Pinto agradece a ALCAP pela homenagem a seu irmão

Maria Pinto, muito emocionada, agradece à Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) pela homenagem que fez ao seu irmão Jacinto Pinto. Ela fala do seu irmão como alguém que gostava de futebol, era músico. O seu instrumento preferido era um pandeiro.

Ela também lembrou muitos afilhados do irmão, pois tinha muitos amigo, pois gostava de ajudar as pessoas. Na companhia do acadêmico Diêgo Nunes, ela gravou um áudio, para registrar esse agradecimento e homenagem ao seu irmão.

Sete de setembro no Grupo Escolar Carneiro de Freitas

Na década de 1970, o dia 07 de setembro era dia de desfile obrigatório no Grupo Escolar “Carneiro de Freitas” em Peri-Mirim/MA, lembro-me da Professora de Ciências, Graça Diniz (in memoriam) que organizava e treinava os pelotões diferenciados, ensaiava acrobacias, danças e performances criativas.

Eu nunca soube onde aquela mulher esquia e brava aprendia essas técnicas. Quando eu cursava a 3.ª série, fui escolhida para sair no Pelotão do “Moinho”, treinei, sabia toda a coreografia. Mas tinha que comprar um tecido quadriculado em vermelho e branco.

Fui tirar as medidas da roupa com tia Rosa – esposa de Constantino -, que morava na sede. Na época eu não sabia o motivo, mas mamãe não comprou o tecido. No dia do desfile, como era obrigatório, tive que ir desfilar de farda.

Ainda bem que eu era a menor da turma e ficava no final do pelotão, assim ninguém podia me ver. Ouvia Graça Diniz gritar: “cadê a Ana Creusa??!!!, cadê Ana Creusa??!!”. Não sei se ela me viu, mas o desfile começou e eu podia ver a turma do “Moinho” com suas evoluções.

Senti o gosto amargo da decepção, na mesma hora compreendi que minha mãe não pôde comprar o tecido, pois a tia Rosa não cobraria pelo feitio da roupa.

Voltei para casa, não falei nada para minha mãe, não falei da minha decepção, nada! A professora discreta, que já tinha sido minha professora na 2ª série, também nunca falou sobre o assunto comigo, acho que ela também compreendeu que eu não tinha roupa para sair no pelotão especial.

Graça Diniz voltou a ser minha professora no Ginásio, na matéria Ciências. Quando eu a via, sempre lembrava do fato. Mas eu tinha uma forma de chamar a atenção daquela nobre professora: era estudar mais! Na 5ª série ginasial apenas três alunos passaram direto, sem fazer prova final, eu estava entre eles, com Gilberto Câmara e Delma Ribeiro.

Memórias de Ana Creusa

Peri-Mirim: Serra Velho

Autora: Eni Amorim

Não se pode afirmar como quando vieram para o Brasil as folias portuguesas da serração do velho. O que se sabe é que as crônicas coloniais do começo do século XVIII já falavam delas com entusiasmo (Mário Ferreira de Medeiros).

Eram festas de rua do povaléu (ralé). Segundo o site meussertões.com.br essa estranha brincadeira se espalhou pelo Brasil principalmente nas regiões norte e nordeste a partir do século XVIII. Constava no rito os motejos contra o velho, sua tortura e morte por meio da serração.

Em conversas com algumas pessoas da comunidade entre elas minha mãe (lnácia Amorim), ela me contou que na comunidade de Santana e Serra (povoado extinto), os moradores cultivavam a prática de realizar o folguedo.

Segundo os entrevistados essa brincadeira acontecia no período da quaresma: um grupo de pessoas da comunidade, na maioria jovens alegres que gostavam de se divertir e aprontar presepadas se reuniam e com alguns objetos, tambor, serra, tamborim, cuíca, latas, panelas o “diacho a quatro”, escolhiam sua vítima, de preferência um velho ranzinza da comunidade para ser “serrado”. Um dos critérios usados era que a vítima tinha que ser avô (ó), ou como dizemos: “estar no crepúsculo da vida”.

Então, à luz da meia-noite o grupo saía para fazer a serra na pessoa definida. Chegando na casa do dito cujo, chamavam o fulano de tal pelo nome, quando este respondia, diziam: -Levanta para vestir a camisa da verdade! Aí começava a zoeira, batiam nos tambores e latas, serravam gritavam, choravam como se o fulano de tal tivesse morrido e assim a brincadeira seguia noite a dentro nas casas das vítimas definidas.

Alguns moradores já suspeitando que podiam ser serrados não caiam na pegadinha, em contra partida, havia morador que entrava na brincadeira de bom humor enquanto que havia outros que não aceitava a brincadeira, ficavam bravos, xingavam os organizadores da brincadeira, enquanto quem estava de fora se divertia.

Nesse contexto do folguedo do “serra-velho”, mamãe me contou uma das presepadas que aconteceu com um morador da comunidade de Santana.

O grupo de jovens da sua época, isso na década de 50, escolheu como vítima o Sr. Bertoldo, este era irmão de meu bisavô, Domingos do Rosário. Alguém dedurou o grupo contando antecipadamente para este que ele seria serrado, então o mesmo começou a guardar mijo no pinico para surpreender o grupo.

No dia definido para a serra, este subiu nu em um cajueiro que ficava na frente da sua casa munido com o mijo dormido em um recipiente. Como a noite estava escura não dava para vê-lo.

Quando o grupo chegou, na calada da noite, o líder do grupo o chamou mudando sua voz para não ser reconhecido:
– Eh Bertoldo, eh Bertoldo… não obtendo resposta prosseguiu:
– Acorda para vestir a camisa da verdade! E começou a barulheira, um serrava um pedaço de madeira, batiam nas panelas, latas e tambores.

Foi quando o Sr. Bertoldo jogou o mijo dormido em cima do grupo e pulou no meio deles peladinho e foi aquele alvoroço, eles sorriram muito da presepadas e foram para casa banhar pra tirar o cheiro de mijo.

Pessoas entrevistadas:
Inácia Amorim; Terezinha Nunes Pereira; Mara Nunes; Nani Sebastiana e Maria Rosa Gomes.

Nota da Autora: Aos poucos a brincadeira foi se extinguindo, já na década de 60 e com a migração de muitos jovens para estudar nas cidades não mais se viu a brincadeira vindo a se extinguir por completo.

O Cangaceiro Tito Silva

Autor Manoel Braga

Tito Silva era filho de Wenceslau Silva, que por sua vez era filho de João Silva. Todos eles nasceram na localidade Ilha do Veado pertencente ao hoje município de Peri-Mirim. Contam que Wenceslau passou 1 ano dormindo no cemitério do Souza na Malhada dos Pretos após ter cometido um assassinato.

O crime se deu por causa de uma brincadeira muito comum tempos atrás na Baixada. Era chamada de Serra. Consistia em fazer um ritual fúnebre de uma pessoa idosa que por ventura existisse na comunidade. Era um pouco macabro. Era feita a leitura de um suposto testamento do idoso em que suas coisas eram deixadas para os vivos.

Esse ritual era realizado tarde da noite acompanhado de muita zoada. Todo velho morria de medo de ser serrado. Tinha um instrumento confeccionado especialmente para essas ocasiões chamado de corrupião. Constituía-se de um pedaço de madeira onde era enfiado um fio que a pessoa segurava e rolava sobre a cabeça o que causava um barulho ensurdecedor. Muitas pessoas participavam da brincadeira.

Tinha uns que batiam em lata. Outros imitavam animais. Principalmente o acauã (rasga mortalha). Nesse ritual, o bode era muito comum também. Este geralmente se roçava na parede da casa feita de pindoba para criar o clima de despedida do idoso.

Uma determinada noite a “canalha” resolveu que era chegado o dia de rocar seu João Silva que já estava bem velho. Estava no ponto de ser serrado. Era tarde da noite, estava na hora de começar o ritual. Fizeram zoada. Leram o testamento. Distribuíram as coisas de seu João. Teve um que subiu em uma árvore e começou a imitar o rasga mortalha.

Seu Wenceslau, pai de Tito Silva, muito brabo pegou uma espingarda, esperou o rasga mortalha piar e largou chumbo. Foi só um tiro. O cabra caiu durinho. Acabou a brincadeira. A brincadeira acabou mesmo. Não fizeram mais esse ritual. Mandaram prender seu Wenceslau. Ele para não ser encontrado durante o dia se escondia no mato. À noite vinha dormir no cemitério onde sabia que não iam procurar por ele. E assim ele escapou muito tempo da prisão.

O primeiro prefeito de Bequimão, que nesse tempo ainda chamado de Santo Antônio e Almas foi o capitão José Mariano Gomes de Castro. Era um grande proprietário de terras, fazendeiro, comerciante e delegado. Certa ocasião o prefeito que, também, era o delegado mandou prender Tito Silva acusado de roubo de gado.

Durante a prisão, o denunciado foi muito torturado. Para completar, o delegado trouxe a mulher dele e na frente de Tito foi humilhada, teve suas vestes rasgadas e sofreu abuso sexual. Tito ficou injuriado. Prometeu que se vingaria.

Tito foi enviado para cumprir sentença na fazenda do senhor Antonio Sousa que era grande proprietário de terras na Tijuca. Tito ficou por lá um certo tempo, mas sempre esperando uma oportunidade para fugir. Durante esse tempo ele apresentou um bom comportamento. Ficou de confiança do fazendeiro.

Até que um dia o senhor Antonio chegou de viagem, apeou do cavalo e o entregou para Tito lavar e dá de comer. Era tudo que Tito tanto esperava. Tito aproveitou a oportunidade e deu no pé. Foi embora para o sertão.

Depois de um certo tempo ele voltou, já com um bando formado. Chegou à propriedade de seu Antonio num dia em que ele tinha encomendado uma missa. Tito com seu bando acabaram a festa. Fizeram zoada, deu tiro para cima e em todas as direções.

Dizem que o padre ficou tão assustado que se jogou do segundo pavimento da casa, só não morreu porque caiu dentro de um depósito de melaço. A mãe de seu Antonio, uma idosa, quase morre de susto. Contam que uma bala perdida pegou em uma garota que ficou se contorcendo de dor. Tito vendo aquilo pegou o seu punhal e enfiou na criança acabando com a sua agonia.

Depois dessa confusão toda que ele causou na casa do senhor Antonio Sousa, ele rumou para Bequimão para consumar sua vingança. Chegando lá, ele localizou o Coronel José de Castro. Ele o prendeu. Torturou o quanto pode. Furou os olhos e o castrou. Por último cortou as orelhas que levou para mostrar para a mulher como prova da sua vingança.

No final ele perguntou ao Coronel: – sabe o que vim fazer? – Eu vim te matar. O coronel era homem duro disse para Tito: – homem se mata, não se maltrata. Nisso um dos homens de Tito, achando que o vexame do coronel já tinha sido muito deu um tiro e acabou com o sofrimento do velho.

Depois de consumada a vingança, os homens de Tito se dispersaram. Tito acabou sendo preso. Foi enviado para cumprir pena em uma fazenda do governador do estado que na época era Magalhães de Almeida e que tinha como vice Marcelino Machado. Dizem que os dois mantinham uma relação homo afetiva. Tito estava bem por lá. Bom comportamento e tudo.

Um certo dia, para azar de Tito ele viu os dois se amando. Tito se escondeu. Mas eles ficaram com a dúvida se Tito tinha olhado ou não. Eles tinham medo que a relação deles viesse a público acabando com a trajetória política deles.

Um dia, eles chamaram Tito e perguntaram o que ele tinha visto. Ele disse que não tinha visto nada. Mas eles não acreditaram. Eles botaram Tito para cavar um poço. Quando já estava com uma certa fundura eles perguntaram ao Tito: – tu sabe o que tu tá fazendo e ele respondeu: – estou cavando a minha sepultura. Então, deram-lhe um tiro e o enterraram. E assim acabou a trajetória de vida violenta que Tito levou.

Nota do Autor: Parte desta história deve ser tratada como lenda, pois, baseou-se em ditos dos mais antigos. Sabe-se que pessoas como Tito Silva têm em torno de si muitos mistérios.

PERI-MIRIM: Engenho e Poço de Pedras da Fazenda São José

Autora Ataniêta Martins

Nossas histórias são lembradas quando alguém se dedica a escrever ou contar sobre elas.

A Fazenda São José, localizada no Povoado Tapera em Peri-Mirim ainda exibe peças de um engenho antigo que funcionou naquele local que, segundo relatos, era bastante lucrativo aos fazendeiros que ali residiam.

Atualmente ainda podemos encontrar por lá, peças que foram deixadas para trás, fora do padrão das que são usadas hoje nos engenhos, o que denota que são peças de um engenho antigo. Pode-se observar que o local onde funcionava o engenho, foi escolhido por ser calmo e sereno, onde podiam trabalhar tranquilos e onde podiam ouvir os cantos dos pássaros.

As árvores antigas são testemunhas de quanto tempo essas peças do engenho estão ali enterradas. Embaixo das plantas entrelaçadas umas às outras, exibindo grossas e profundas raízes, que indica que estão ali por muitos e muitos anos e em estado de completo abandono.

Vendo aquelas peças, fico a imaginar se nossa Peri-Mirim tivesse um museu para expor essas peças, tanto a História seria preservada, como mais pessoas poderiam conhecer esse material de grande valor. Seria interessante fazer a catalogação para a nossa e as próximas gerações saberem que no nosso município existiram moinhos que funcionavam com mão de obra escrava.

Também pude verificar que na fazenda São José existe um poço, chamando de poço de pedras, construído por mãos talentosas e mágicas dos escravos que viveram naquela época; feito para saciar a sede do gado e para o trabalho no moinho. O interessante é que as pedras foram cortadas ou encontradas de um só tamanho e lá colocadas, tudo articulado com peculiar beleza.

Atualmente, o poço encontra-se entupido até certa profundidade, certamente por falta de cuidados. Com a abolição da escravatura e consequente fechamento do engenho, o poço passou a ser usado na pecuária, pois os futuros moradores dedicaram-se à criação de gado bovino.

Outro fato importantíssimo é que existem árvores centenárias, mangueiras e, em destaque, um bacurizeiro com mais de 130 anos.

Nota dos Editores: O livro Curiosidades Históricas de Peri-Mirim, de autoria de Francisco Viegas, destaca que houve a existência de 11 (onze) engenhos antigos em Peri-Mirim: 1) Rio da Prata; 2) Santa Filomena; 3) Engenheiro Queimado; 4) Engenho Tijuca; 5) Teresópolis; 6) Santa Cruz; 7) Santana; 8) São Luís Bacelar; 9) Itaquipé; 10) Palestina e 11) Engenho Santa Estela. Com a descoberta do Engenho São José, são em número de 12 (doze) os engenhos antigos de Peri-Mirim.

Peças do Engenho

Peças do Engenho

Poço de Pedras

Poço de Pedras